-->

Caso Marielle: porteiro vive acuado e não voltou ao trabalho

08 Novembro 2019

O porteiro que citou o presidente Jair Bolsonaro (PSL) em depoimento à polícia vive acuado e não voltou ao trabalho desde que o nome dele veio à tona.

A revista Veja conseguiu localizar a casa onde o funcionário do condomínio Vivendas da Barra. Abordado pela reportagem, ele se limitou a dizer: “Eu não estou podendo falar nada. Não posso falar nada”.

O nome de Alberto Jorge Ferreira Mateus, morador do bairro Gardênia Azul, no Rio de Janeiro, ganhou destaque na semana passada quando o Jornal Nacional, da TV Globo, divulgou informações de que ele teria citado o nome de Bolsonaro no inquérito que apura a morte da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

Na ocasião, de acordo com o porteiro, um dos acusados pelo crime, Élcio Queiroz teria ido ao condomínio e pedido para ir à casa 58, que pertence ao chefe do Executivo. O funcionário disse ainda que teria falado com “Seu Jair“, que autorizou a entrada.

Mais sobre o assunto

A versão, no entanto, foi logo desmentida. O próprio Jornal Nacional informou que no dia do crime, Bolsonaro estava em Brasília — quando era deputado federal — e teve o nome registrado no painel eletrônico. O Ministério Público do Rio de Janeiro também anunciou que, após perícia, foi constatado no áudio que o porteiro abordado por Queiroz não era Alberto, mas Tiago Izaias e o suspeito pediu para ir à casa de Ronie Lessa outro investigado pela morte de Marielle.

Desde que viu o nome envolvido no inquérito, o porteiro não voltou ao trabalho. Segundo a revista, a licença dele acabaria no dia 1º de novembro, mas foi estendida. A reportagem diz ainda que, por ser querido no condomínio, haverá uma assembleia para discutir a possibilidade de os moradores pagarem um advogado para Alberto.

Na rua onde o porteiro mora com a esposa, vizinhos e parentes não sabem dizer como o porteiro foi parar no centro das investigações. Eles classificam Alberto como um homem discreto, que não vai a bares nem festas, e, no fim de semana, é sempre visto a caminho da igreja, sempre com uma bíblia nas mãos. Muitos, inclusive, demoraram a descobrir que ele trabalhava no condomínio onde o presidente tem uma casa.

A família vive momentos de tensão. No sobrado onde moram 15 parentes, uma tia da mulher de Alberto contou à reportagem que tem tomado remédio para pressão. Outro se disse temeroso, pois o porteiro tem medo de perder o emprego e “até de morrer”.

Moradores do condomínio Vivendas da Barra não descartam ainda a possibilidade de o porteiro ter mentido no depoimento para proteger Ronnie Lessa. Isso porque o bairro Gardênia Azul onde ele mora está próximo à favela Cidade de Deus, reduto de milícias que agem na zona norte do Rio de Janeiro.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree