-->

Jovem estuprada na UTI teve traqueia rasgada por entubação

19 Novembro 2019

O laudo que apura a morte de Susy Nogueira Cavalcante, de 21 anos — estuprada na UTI de um hospital privado de Goiânia —, aponta que os procedimentos

para entubação rasgaram a traqueia da jovem, o que culminou na embolia pulmonar.

As informações são do advogado da família, Darlan Alves Ferreira. Pelo erro, foram indiciados os médicos Frederico Dutra Oliveira e Paulo Coutinho Seixo de Brito Júnior, ambos por imperícia e homicídio culposo.

Mais sobre o assunto

Ainda segundo o advogado, a entubação tem relação direta com os abusos sofridos pela jovem na Unidade de Tratamento Intensiva (UTI) do Hospital Goiânia Leste (HGL). Susy teria pedido a uma enfermeira que chamasse o pai dela para ser transferida de hospital. O procedimento teria sido uma forma de silenciá-la.

A estudante deu entrada na unidade hospitalar no último 16 de maio após apresentar um crise convulsiva. Ela ficou internada e, segundo a titular da Delegacia Estadual de Proteção à Mulher (Deam), Paula Meotti, foi estuprada no mesmo dia. O suspeito do crime é o técnico de enfermagem Ildson Custódio Bastos, de 41 anos.

Leia a reportagem completa no Mais Goiás, parceiro do Metrópoles.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree