-->

Cauã Reymond: “A partir dos 30 passei a me achar bem-apessoado”

08 Dezembro 2019

Para quem acompanha o trabalho de Cauã Reymond desde que estreou nas telinhas me Malhação se encanta com o charme do ator. Quando viveu Maumau, em 2002, a

beleza do astro já chamava a atenção dos fãs. Por isso, a afirmação de que não se acha bonito pode surpreender muita gente.

“Eu não me sentia necessariamente bonito, mas eu percebia que as pessoas comentavam (risos). Acho que a partir dos 30 anos eu passei a me achar bem-apessoado”, revela o ator, em entrevista à coluna Fabia Oliveira, do O Dia.

Mais sobre o assunto

Cauã conta como conseguiu ser mais que “um rostinho bonito” na televisão e começou a encarar novos desafios. “No início da carreira eu era levado mais para o lado do mocinho, do cafajeste… São coisas muito fortes na nossa teledramaturgia e no cinema também. Com o passar do tempo eu quis me desafiar e encontrei resistência para outros tipos de personagens. Fiz testes para vários personagens e fui dobrando as barreiras”, disse.

Cauã Reymond: "A partir dos 30 passei a me achar bem-apessoado"
Cauã Reymond: "A partir dos 30 passei a me achar bem-apessoado"
6 FOTOS
Cauã Reymond
1/6

Cauã é um dos maiores atores dessa geração

Cauã Reymond
2/6

Ele tem 39 anosDivulgação/Revista Claudia

Cauã-Reymond-2
3/6

O ator estreou na TV em Malhação, como Maumau

20191006-avenida-brasil-caua-reymond
4/6

Também fez muito sucesso em Avenida Brasil, como Jorginho

Cauã Reymond
5/6

Ator já foi casado com Grazi MassaferaReprodução / Instagram

Cauã Reymond e Mariana Goldfarb
6/6

Atualmente, Cauã Reymond é casado com Mariana GoldfarbReprodução/Instagram

O ator comentou também sobre a forma como cria a filha Sofia, de 7 anos, com relação a violência contra a mulher. A pequena é fruto do relacionamento que ele teve com Grazi Massafera. “Nós somos reféns de uma sociedade muito violenta e, infelizmente, nós nos acostumamos a conviver diariamente numa guerra civil que atinge as principais capitais brasileiras. Em relação ao feminino, ele está ganhando um lugar diferente e que eu acho extremamente benéfico, que é o lugar de igualdade. Acredito que esse é o melhor momento para poder criar uma menina. A gente chama a Sofia de princesa, mas princesa guerreira. Eu a estimulo a conquistar as coisas, a ser uma mulher forte e a se valorizar não só pela delicadeza que ela tem naturalmente, como a força. Ela faz natação e acabou de entrar no judô e ela está gostando de lutar mais do que nadar. Na turma dela tem mais meninas que meninos”, revela.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree