-->

Funcionário obrigado a trabalhar durante a greve da PM é indenizado em R$ 25 mil

28 Novembro 2019
28 de novembro de 2019
- Redação Multimídia ESHOJE

Curta, comente e compartilhe!
A greve da PM ocorreu em fevereiro de 2017. Foto: Agência Brasil

Um trabalhador de uma agência bancária foi indenizado em R$ 25 mil por ter sido obrigado a trabalhar durante a greve da Polícia Militar no Espírito Santo, em fevereiro de 2017. A decisão é da 1ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-ES).

O homem alegou que, naquele período, enquanto a população capixaba evitava ao máximo sair de casa, ele e colegas da agência foram expostos a perigos, como assaltos e arrombamentos, que aumentaram muito nos dias da greve.

Na ação, o bancário reclama que a empresa “[…] visando apenas lucro, manteve o funcionamento normal e obrigou que os funcionários trabalhassem, mesmo que nenhum outro estabelecimento comercial ou instituição financeira estivesse funcionando”.

Mesmo com a intervenção do Sindicato da categoria, o banco se manteve irredutível quanto à suspensão do expediente. “Cada dia trabalhado foi de extremo terror psicológico e medo, pois sem policiamento ostensivo a agência estava completamente desprotegida”, afirmou o trabalhador.

A sentença indeferiu o pedido inicial de indenização por danos morais. Mas o homem, empregado de 2003 a 2017 na empresa, recorreu da decisão e o TRT-ES aceitou.

Em seu relatório, o desembargador Claudio Armando Couce de Menezes enfatiza que “são evidentes os danos morais causados ao autor, decorrentes da sensação de insegurança a que foi submetido”.

O acórdão foi publicado no dia 30/10 e o prazo para recurso venceu em 14/11. O processo segue agora para execução.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree