-->

Justiça pede afastamento do prefeito de Marataízes por seis meses

28 Novembro 2019
28 de novembro de 2019
- Thais Rossi

Curta, comente e compartilhe!

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES), por meio da Subprocuradoria-Geral de Justiça Judicial, pediu o afastamento do prefeito de Marataízes, Robertino Batista da Silva, o “Tininho Batista”, por seis meses (180 dias). Ele é investigado por corrupção.

Tininho Batista foi preso no dia 9 de maio, durante a Operação “Rubi” do MPES, que apura fraude em contratos públicos.  Na ocasião, ele foi pego com uma arma sem documentação, mas pagou fiança e foi liberado.

Além de Tininho, a prefeita de Presidente Kennedy, Amanda Quinta Rangel, também foi presa na mesma Operação. Os empresários Marcelo Marcondes Costa e José Carlos Marcondes Soares também são apontados como integrantes de uma quadrilha que lesou os cofres públicos, desse município e de Marataízes, Jaguaré e Piúma. As ações eram direcionadas para beneficiar licitações de empresas, superfaturando contratos de prestação de serviço público.

O MPES sustenta que o prefeito de Marataízes solicitou e recebeu vantagens indevidas e aceitou promessa de vantagem em contrapartida.

Tininho Batista ido ao Rio de Janeiro com a esposa, viajem na qual teriam assistido a espetáculos teatrais custeados por uma das empresas envolvida na suposta fraude.

Os empresários, donos de uma empresa de limpeza urbana, foram denunciados por oferecer ou prometer a vantagem indevida a funcionário público que, por sua vez, determinou a prática, omitiu ou retardou ato de ofício.

As investigações do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), com o apoio do Núcleo de Inteligência da Assessoria Militar do MPES e parceria do Tribunal de Contas do Estado do Espírito Santo (TCEES), tiveram início em 2018.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree