-->

Chuvas e perdas em aplicações derrubam receita do Estado em 6,96%

27 Março 2020
27 de março de 2020
- Redação Multimídia ESHOJE

Curta, comente e compartilhe!

Dados do Painel de Controle da Macrogestão Governamental, elaborado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-ES), apontam que a receita estadual arrecadada no mês de fevereiro, de R$ 1,578 milhões, representou um decréscimo de 6,96%, quando comparada à arrecadação do mesmo mês do ano anterior. Uma das causas do declínio são as chuvas intensas, ocorridas na segunda quinzena de janeiro, prejudicando as vendas e reduzindo o recolhimento do tributo em fevereiro. No mês, houve arrecadação a menor de ICMS (R$ 37 milhões), entrada a menor de participações especiais (R$ 12 milhões) e rendimentos negativos das aplicações dos investimentos do fundo previdenciário (R$ 13,5 milhões).

O Painel, disponibilizado no CidadES – Controle Social, também indica diminuição no acumulado. A média mensal de receitas arrecadadas até o mês de fevereiro correspondeu a R$ 1.494,85 milhões, tendo representado um decréscimo de 3,08%, em relação ao mesmo período do ano antecedente.

A análise do Painel de Controle é de que o panorama para as finanças públicas estaduais apresenta, desde o fim de 2019, uma trajetória descendente. A queda na atividade econômica, documentada pelo IBCR-ES do Banco Central, apresentado no painel de janeiro de 2020, já estava impactando a receita. A Receita Total caiu 3,1% em termos nominais, enquanto a despesa subiu 7,9%. Com isso, a margem fiscal, caiu 20,2%.

O Fundo Previdenciário apresentou resultado negativo de R$ 13,5 milhões na arrecadação total de fevereiro de 2020, em contraposição ao resultado positivo de fevereiro de 2019, que foi de R$ 49,4 milhões. Isso se deve, principalmente, ao resultado negativo de R$ 65,8 milhões da “remuneração dos investimentos do regime próprio de previdência do servidor em renda variável”.


O Painel de Controle do TCE-ES destaca ainda nesta edição de fevereiro os efeitos da possível decisão desfavorável da ação direta de inconstitucionalidade (ADI) 4917. No ano de 2012, a Lei nº 12.734/2012 introduziu mudanças significativas na redistribuição das participações governamentais (royalties e participações especiais) aos entes federativos.

Inverteu-se a lógica até então vigente de pagamento de royalties e participações especiais para beneficiar os estados e municípios não-produtores. No entanto, o novo modelo de partilha é objeto da ADI 4917, movida pelo Estado do Rio de Janeiro, ainda em curso no Supremo Tribunal Federal (STF).

Por ora, a Suprema Corte concedeu liminar na ADI 4917 e suspendeu os novos critérios de distribuição dos royalties do petróleo trazidos pela Lei nº 12.734/2012. Caso o novo regramento para redistribuição das participações governamentais do petróleo previstos nesta lei seja convalidado, os estados e municípios produtores podem suportar perdas elevadíssimas.

Estudo da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), encomendado pelo Governo do Estado, prevê perda total de R$ 115,43 bilhões para os três maiores estados produtores (Rio, São Paulo e Espírito Santo), no período de 2013-2025. Somente o estado capixaba perderia R$ 18,46 bilhões, sendo R$ 8,61 bilhões de atrasados relativos a 2013-2019 caso a decisão do STF retroaja, e R$ 9,85 bilhões nos próximos seis anos (2020-2025).

O julgamento da ADI 4917 está pautado para o próximo dia 29 de abril.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree