Imprimir esta página
-->

Kelvin e Brunielly: um ano após a morte do casal, veja como está o caso

22 Mai 2020
22 de maio de 2020
- Bernardo Barbosa

Curta, comente e compartilhe!
Casal era de Cachoeiro de Itapemirim. (Foto: Divulgação)

No mês de maio é intensificada a educação no trânsito com a campanha “Maio Amarelo”. Mesmo assim, nem todas as pessoas seguem à risca e acabam marcando negativamente famílias como as do casal Kelvin Gonçalves dos Santos e Brunielly Oliveira, de 23 e 17 anos, respectivamente.

Nesta sexta-feira (22), um ano se completa da trágica morte dos jovens, após dois carros, que disputavam um “racha” em alta velocidade, atingirem a moto em que eles estavam na Terceira Ponte (sentido Vila Velha – Vitória), por volta da 1h30.

Os carros eram dirigidos pelo advogado Ivomar Rodrigues Gomes Junior, 34, que foi quem inicialmente atingiu a moto do casal, e o estudante de engenharia Oswaldo Venturini Neto, 22, que os atropelou após os corpos serem arremessados.  .

Segundo a polícia, os acusados estavam em uma boate, em Vila Velha, e ingeriram bebidas alcoólicas, entre elas cerveja e whisky, antes do crime. Apesar de o resultado do bafômetro ter sido negativo, testemunhas comprovam que os dois estavam embriagados.

O casal namorava há aproximadamente um ano e vivia em Cachoeiro de Itapemirim, sul do Estado. Kelvin Santos se mudou para a Grande Vitória primeiro e trabalhava como motoboy, Além disso, deixou dois filhos.

Já Brunielly havia se mudado pouco antes do acidente para a Serra. Juntos, eles estavam morando no bairro André Carloni.

Após o acidente, o advogado Ivomar Rodrigues Gomes Junior, 34, e o estudante de engenharia Oswaldo Venturini Neto, 22, se tornaram réus e foram autuados por duplo homicídio e por disputarem “racha”.

Porém, pouco mais de quatro meses após o ocorrido, em setembro, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) decidiu pela liberdade provisória de ambos.

Fora da prisão, eles não poderão dirigir, sair de casa à noite e só podem sair do estado se a justiça autorizar.

Segundo o assistente de acusação dos jovens, Siderson Vitorino, a acusação vive a expectativa de uma nova audiência ser marcada pela inclusão de testemunhas importantes no processo.

“A acusação requereu, e o juiz deferiu, a inclusão dos atendentes do Samu e dos operadores da Rodosol que deram o primeiro atendimento à ocorrência e tiveram contato com os assassinos. Trata-se de testemunhas importantes, capazes de confirmar o estado de embriaguez dos réus. Agora, a expectativa fica em torno da audiência para instrução do feito, onde serão ouvidas as testemunhas de acusação, bem como o interrogatório dos réus”, explicou.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree