-->

Doação de órgãos proporciona recomeço de vida para quatro pessoas neste domingo (12)

14 Julho 2020
EMPÓRIO MARCENARIA J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução SESA Aedes Aegipty Publicidade
CORONAVÍRUS - SESA Publicidade CAMPANHA VACINAÇÃO GRIPE PublicidadePublicidadePublicidade MAIO AMARELO 2020 Publicidade EMPATIA NO TRÂNSITO Publicidade

Neste domingo (12), uma doação de órgãos que aconteceu em Cachoeiro de Itapemirim, região Sul do Espírito Santo, mudou a vida de quatro pessoas que aguardavam por um transplante. O coração e o fígado foram destinados a dois capixabas e os dois rins encaminhados a receptores em Minas Gerais.

Segundo a coordenadora da Central Estadual de Transplantes do Espírito Santo (CET-ES), Maria Machado, o último transplante de coração realizado no Estado aconteceu em 24 de fevereiro e o de fígado no dia 08 de abril.

“Desde fevereiro não tínhamos realizado um transplante de coração. Agradecemos aos familiares desse doador, por se mostraram sensíveis e solidários, possibilitando o recomeço para muitas outras famílias”, explicou Maria Machado.

Ainda segundo dados do CET-ES, de janeiro a junho de 2020, foram realizados 126 transplantes no Espírito Santo, enquanto no mesmo período do ano anterior, o Estado registrou 246 transplantes. Um dos motivos dessa queda na realização dos transplantes, segundo a coordenadora, foi o aumento da recusa familiar no período da pandemia. “A pandemia impactou a decisão familiar, porque a doação de órgãos é uma decisão delicada para essas famílias”, disse.

Em comparativo com o período de janeiro a junho de 2019, o ano de 2020 registrou uma queda de 4% no número de recusa familiar. Porém, considerando somente o período de pandemia, observou-se um aumento de 10% nessas recusas, segundo dados da Central Estadual de Transplantes do Espírito Santo (CET-ES).

Segundo a coordenadora do CET-ES, Maria Machado, o Estado realiza todos os protocolos de segurança para viabilizar as doações e os transplante.

“Uma das medidas é a exigência do teste de Covid-19 para todos os processos de doação. Assim, cada paciente em morte encefálica, com doação autorizada pela família, passa por testagem para a Covid-19 antes da realização da captação dos órgãos, para garantir o procedimento com órgãos saudáveis, além disso o exame tem prioridade ao chegar no Lacen, sendo entregue em até 24 horas”, explica a coordenadora.

Nesta segunda-feira (13), o Espírito Santo conta com 1.336 pacientes aguardando por um órgão, sedo 1.010 para rins, 32 para fígado, 288 de córnea e 06 de coração.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree