-->

Tênis: Luisa Stefani embarca para retomar circuito de duplas

04 Agosto 2020
EMPÓRIO MARCENARIA J. Regionalidades vc por dentro de tudo Publicidade Detran carnaval Publicidade Agência Solução SESA Aedes Aegipty Publicidade
CORONAVÍRUS - SESA Publicidade CAMPANHA VACINAÇÃO GRIPE PublicidadePublicidadePublicidade MAIO AMARELO 2020 Publicidade EMPATIA NO TRÂNSITO Publicidade

A tenista Luisa Stefani embarcou nesta segunda-feira (03) de Tampa, na Flórida, para Lexington, no estado americano do Kentucky. Lá, a partir de 10 de agosto, a brasileira, ao lado da americana Hayley Carter, retoma o circuito profissional de duplas após mais de quatro meses de paralisação por causa da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

“Muito animada. Mas também bastante ansiosa. Vai ser um momento diferente, com muitas precauções e restrições. Já nos passaram como será o protocolo, mas só vamos saber mesmo como será a rotina de competições estando lá”, disse a atleta.

Depois da competição em Kentucky, o calendário prevê o Premiere de Cincinnati e o Grand Slam US Open, ambos devem ocorrer em Nova York. “Apesar desses torneios ainda não estarem 100% confirmados, estou contando que vão ocorrer. Me preparei para isso. É muito mais fácil treinar tendo uma referência de um calendário de competições. Estou animada e preparada para voltar”, afirmou.

A ideia da brasileira é aproveitar essa semana em Lexington para treinar e readquirir o ritmo com a parceria Hayley. “Precisa chegar pelo menos três dias antes para fazer teste da covid-19 para entrar no torneio. E vamos buscar recuperar o tempo perdido, né? Aproveitar para treinar e ir voltando aos poucos”.

Na sequência, dependendo do andamento da pandemia, os planos da dupla é seguir para Madri e manter um calendário de torneios ao redor do mundo: “Ainda está tudo muito incerto. A cada semana há torneios cancelados. Recentemente, por exemplo, aconteceu na China. Grande parte do circuito da Associação Internacional de Tênis [WTA] ocorreria lá. A Federação Internacional de Tênis [ITF] tem poucos torneios previstos e a maioria deles será na Europa”.

A retomada da modalidade em nível mundial ocorreu no sábado (1) com o WTA de Palermo (Itália). E foi marcada pelo afastamento de uma atleta por conta de um teste positivo de covid-19 antes mesmo do início dos jogos. A decisão de voltar com os torneios nesse momento já trouxe muita polêmica nas últimas semanas, mas, para Luisa, o período atual é de paciência.

“Só vamos descobrir mais para frente se houve precipitação ou não. Há muitos conflitos de interesse nesse retorno dos jogos. Obviamente, parece uma injustiça voltar para alguns e não voltar para outros por causa das restrições de circulação das pessoas pela covid-19. Não sei qual seria a melhor saída para essa questão. O que sei é que há muitas pessoas trabalhando, até mesmo na comissão de atletas. É difícil demais acomodar todos os interesses. Ninguém sabe também se o circuito europeu vai poder continuar depois desse torneio”.

Desde maio, a brasileira disputou vários torneios exibição de simples no condomínio no qual reside no sul dos Estados Unidos. “Foi diferente. O local aqui é bem isolado. E o tênis também é jogado com os atletas distantes. Então, deu para fazer esses jogos. Foi bom. A parada forçada teve várias coisas negativas, mas uma coisa boa foi poder voltar a esses jogos de simples. Fazia tempo que não jogava”.

Atualmente, Luisa Stefani é a 46ª do mundo nas duplas e a primeira do Brasil [a melhor posição dela foi 45ª]. Na temporada, Stefani e Carter ocupam a 9ª posição no mundo e foram campeãs do WTA 125 de Newport Beach (EUA), chegaram às oitavas do Australian Open e nas quartas no WTA Premiere de Dubai (Emirados Árabes). Em 2019, a dupla faturou o WTA de Tashkent (Uzbequistão), e foi vice-campeã no WTA de Seul (Coreia do Sul).

“A temporada de 2019 foi muito especial. O primeiro ano como profissional. Tudo novo, não conhecia todas as jogadoras. Tive que enfrentar decisões difíceis. Investir nas duplas não foi fácil, mas foi o que me pareceu correto naquele momento. Acho que a minha subida no ranking tem muito a ver com isso. Tive essas experiências e pude disputar torneios maiores”. A dupla está formada há pouco mais de um ano. “Estava variando bastante minha parceria. E a Hayley me chamou para fazer parte do circuito na Ásia. Fizemos bons jogos e, aos poucos, o entrosamento foi surgindo. Os nossos estilos se complementam. Está sendo legal poder jogar com ela. O ranking também é bem parelho. Tudo está ajudando”.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree