Big Banner Hospedagem de Site 1360x150
Segunda, 17 Agosto 2020 18:47

Sindicância e MPES irão apurar vazamento de informações no caso da criança vítima de estupro

O Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES) e uma sindicância do Hospital Universitário Cassiano Antônio Moraes (Hucam) irão apurar o vazamento de informações referentes ao caso da menina de

dez anos, vítima de violência sexual em São Mateus, na região Norte do Estado.

Nesta segunda-feira (17), em resposta ao , o MPES informou que, por meio das Promotorias de Justiça da Infância e Juventude e da Criminal de São Mateus, “já instaurou procedimento e investiga ou encaminhou diligências para investigação dos fatos para verificação dos ilícitos cometidos”.

Além disso, o MPES informou que “acompanha e atua desde o início no caso em tela visando à proteção, saúde e resguardo dos direitos da vítima sem se submeter a influências externas de qualquer natureza. Informa ainda que todas as medidas para preservar e proteger a intimidade da criança estão sendo tomadas, sob pena de responsabilização”.

Também nesta segunda, em pronunciamento para falar sobre o caso, a superintendente do Hucam, Rita Checon, disse que uma sindicância será aberta no hospital para apurar o vazamento dos dados. “Vamos apurar o vazamento do prontuário e a apuração será feita por meio de uma sindicância de vazamento indevido. Se isso aconteceu serão tomadas as devidas providências”, afirmou.

Consequências

No domingo (16), a extremista Sara Geromini, mais conhecida como “Sara Winter”, divulgou nas redes sociais o nome da menina e o hospital em que ela faria o procedimento.

Em razão do vazamento, um grupo de religiosos de Recife, em Pernambuco, mobilizou dezenas de pessoas no domingo em frente ao hospital onde a menina de 10 anos que engravidou após ser estuprada realizaria o aborto do feto. Eles foram contra o procedimento de antecipação do parto.

  • (Imagem: Reprodução/Twitter)
  • (Foto: Reprodução/Twitter)

A Defensoria Pública do Estado do Espírito Santo (DPES) conseguiu, na noite de domingo, uma em suas plataformas.

Segundo a decisão, os dados divulgados causaram ainda mais constrangimento à menina e aos seus familiares. Caso as empresas descumpram a medida, será aplicada uma multa diária de R$ 50 mil.

Em nota à reportagem, a DPES explica que “neste momento, a Instituição está atuando em diversas frentes: acompanhamento processual do caso e o acompanhamento do cumprimento da decisão liminar da Ação Civil Pública contra o Google Brasil, Facebook e Twitter”. E conclui destacando que “por se tratar de uma criança que deve ter sua integridade protegida, a Defensoria Pública não pode revelar detalhes do processo”.

O Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo (TJES), por meio de nota, informou que “o processo encontra-se em sigilo a fim de resguardar a privacidade da criança”. E ainda ressalta, esclarecendo que “nos casos envolvendo menores de idade, o Poder Judiciário não divulga decisões”.

entrou em contato com a defesa da família da menina de dez anos, que passou pelo procedimento para interromper a gestação fruto de estupro, mas até a publicação não obtivemos retorno.

A reportagem também entrou em contato, e demandou, a Polícia Civil do Estado, mas até a publicação não obtivemos resposta.

Curtir isso:

Ler 7 vezes

Atendimento ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Suporte ao Cliente:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Depto financeiro:  Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Publicidade & Propaganda: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Notícias

Vídeos

Guia Comercial

Nossa Empresa

Please publish modules in offcanvas position.