Imprimir esta página
-->

Autorização para venda de ações da Saneago é aprovada em primeira votação

05 Novembro 2019

Projeto agora segue para segunda votação. Com a presença de servidores, matéria foi discutida à exaustão na Assembleia

Foto: Eduardo Pinheiro/Jornal Opção

Elisama Ximenes e Eduardo Pinheiro

Após muita discussão, o projeto de Lei que autoriza a venda de 49% das ações da Saneago foi aprovado em primeira votação. Apesar das falas da oposição e dos protestos de servidores, que insistem que se trata de uma privatização, o projeto foi aprovado, chancelando o discurso do governo de que a abertura de mercado não significa perda total do controle pelo Estado.

A votação foi fechada e a matéria aprovada com 26 votos favoráveis e oito contrários. Votaram contra os deputados Adriana Accorsi (PT), Lucas Calil (PSD), Rubens Marques (Pros) , Antônio Gomide (PT), Leda Borges (PSDB), Gustavo Sebba (PSDB), Claudio Meirelles (PTC) e Helio de Sousa (PSDB).

Matéria foi aprovada com emenda que garante que 30% dos recursos seja destinado a investimentos no saneamento.

Na discussão, deputados da oposição argumentavam que se tratava de um pontapé para privatização da Saneago, mas o líder do Governo reforçou que o Estado ainda terá controle sobre 51% das ações. Bruno Peixoto (MDB), inclusive, questionou parlamentares que hoje discursam contra esse projeto, mas foram favoráveis à privatização da Celg. Na tribuna, oposicionistas alegaram que a Celg se encontrava em situação mais calamitosa que a Saneago.

Henrique César (PSC) diz que o projeto não é privatização, diferente do caso da Celg. “É muito diferente, ela foi vendida a toque de caixa sem que se tivesse ideia de para onde iria o dinheiro. Parabenizo o deputado Rubens Marques que encaminhou voto contrário, mas apresentou uma emenda que garante no mínimo 30% dos recursos para o investimento em saneamento”, afirmou.

Oposição  

A oposição tentou obstruir a votação, mas a base conseguiu quórum suficiente para colocar a matéria em plenário. A pedido do líder do governo, Bruno Peixoto, houve prorrogação da sessão por mais duas horas para que o texto pudesse ser aprovado ainda nesta terça.

O deputado Gustavo Sebba (PSDB) contestou o fato de a votação não ter sido nominal. Ele indagou o motivo dos deputados da base em não querer seus nomes divulgados. “Eu declaro meu voto: contra! Os deputados têm que ter bom senso e pedir para que o governador Ronaldo Caiado que retire esse projeto desastroso”, disse.

Adriana Accorsi (PT) afirmou que saneamento é um setor estratégico e não deve ser privatizado. Para ela, pode acontecer o mesmo que houve com a Celg, em que a empresa foi vendida e “não houve melhoria da qualidade”.

Relacionado


Em breve novidade aqui!!!
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree