-->

“Quadro de pessoal não aumentou, mas despesa cresceu quase 500%”, diz presidente da Goiasprev

12 Novembro 2019

Gilvan Cândido apresenta dados sobre o déficit previdenciário nas contas do Estado durante primeiro debate público sobre Reforma da Previdência

Primeiro debate sobre Reforma da Previdência | Foto: Reprodução

O presidente da Goiasprev, Gilvan Cândido, explicou que nos últimos 15 anos o crescimento da despesa com folha de pessoal chegou a quase 500%. “Não é o caso de ficarmos buscando culpados, mas nós devemos fazer diagnósticos para tentar identificar para onde vamos e o que podemos fazer para desviar essa rota”, afirmou o titular da Goiasprev no primeiro debate público sobre a reforma da Previdência Estadual, realizado nesta segunda-feira, 11, na sede da OAB-GO.

“Cresceu 490% a despesa de pessoal entre 2003 e 2019. Em 2004, tínhamos cerca de 120 mil servidores. Em 2019 continuamos com aproximadamente 121 mil servidores. O quadro de pessoal não aumentou, mas despesa cresceu quase 500%. É uma despesa que tem que pagar. É sagrado pagar o salário”, disse Gilvan.

Conforme os dados da Goiasprev, os recursos pagos ao funcionalismo público, seja ativo ou aposentado e pensionista, é difícil entre o Poder Executivo (52,6), Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (20,7%), o Tribunal de Contas do Estado (69,7%), o Tribunal de Contas dos Municípios (57,1%), a Assembleia Legislativa (74,1%). Apenas o Ministério Público (MP-GO) tem superávit, de 33,2%, que vive uma situação de 5 ativos para cada inativo.

“Tivemos uma sucessão de omissões e as medidas necessárias não foram adotadas. Isso vem impactar todos nós. O caminho é de acomodação. Há espaço para que possamos dialogar e construir alternativas”, destacou o procurador-geral de Justiça, Aylton Vechi, que já participou de reuniões com o governador para conhecer a matéria, ao lado de representantes de outros órgãos e secretários de Estado.

Representando o Fórum em Defesa dos Servidores e Serviços Públicos do Estado de Goiás, o presidente da Associação dos Oficiais da Polícia e do Corpo de Bombeiros Militar (Assof), coronel Anésio Barbosa, argumentou que existem alternativas que podem ser incluídas nos debates referentes à Previdência, mas admitiu que a expectativa de vida atual é maior que nos anos anteriores e, por isso, a idade mínima para aposentar pode ser alterada.

Relacionado

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree