-->

“Resguardaram interesses dos militares, que parecem intocáveis”, diz vereador sobre Previdência

07 Dezembro 2019

Paulo Magalhães (PSD) teceu duras críticas à flexibilização feita no texto da reforma aprovada no Senado para as forças armadas

Paulo Magalhães (PSD), que é vereador por Goiânia | Foto:

Fernando Leite / Jornal Opção

O vereador Paulo Magalhães (PSD) teceu duras críticas à previdência dos militares, aprovada no Senado. De acordo com o parlamentar, a reforma da Previdência traz uma discrepância muito grande entre civis e militares. “Resguardaram os interesses dos militares da Aeronáutica, Marinha e Exército, que parecem ser intocáveis”, argumenta.

Paulo citou o caso das pensões pagas pelo Estado aos filhos de militares até a idade adulta. “Enquanto isso o homem do campo se aposenta com R$ 400,00, valor que não paga sequer a alimentação e remédio”, exemplifica.

“Trabalhei 50 anos, sendo três mandatos como vereador e aposentei ganhando R$ 2.245,00. Se eu morrer hoje minha esposa receberá pouco mais de mil reais. Essa é a discrepância que eu questiono. É o preço por termos eleito um presidente biônico”, afirma Paulo.

Para o vereador, o presidente da República, Jair Bolsonaro, é um robô. “Ele não tem sensibilidade. Os filhos dele fazem maracutaia e o Supremo Tribunal Federal sequer consegue fazer uma investigação sobre as denúncias”, diz Magalhães. “É uma afronta a todos os brasileiros, que aplaudem essa barbárie”, complementa.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree