-->

Entre bebidas e ideologias, a arte como cabresto espiritual

16 Fevereiro 2020

João Cássio

Desde pelo menos 2008, a legislação vem fechando o cerco contra propagandas de bebidas alcoólicas na tevê e no rádio e, de lá pra cá, será que alguém

ainda não notou a escandalosa “coincidência” do aumento das menções ao consumo de cerveja e destilados dentro sobretudo do gênero musical “sertanejo universitário”? – Ah, mas o álcool sempre teve relação com o sertanejo, poderiam argumentar observadores superficiais, sem atentarem para o fato de que nunca antes a bebedeira foi tão celebrada e midiaticamente difundida em um contexto jovem e urbano de festa e sexo sem compromisso.

Nos primeiros anos do milênio, o uso da Lei Rouanet – interessante ferramenta de incentivo cultural aprovada em 1991 – passou a destinar mais recursos não para artistas iniciantes mas para “estrelas” já “consagradas” do show business, dotadas de plena capacidade de caminharem com as próprias pernas – ou com as próprias Ferraris. O rock sumiu do mainstream, a música de protesto definhou, quase ninguém mais ousava criticar abertamente o governo. Mais uma dessas coincidências da vida.

Não quero aqui criticar os artistas. Boas ou más, as escolhas estão aí para serem feitas e cada qual que assuma as responsabilidades pelas suas em meio ao desafio de trabalhar com Cultura em um país que ainda acredita que ganhar dinheiro vem antes de cultivar a inteligência. Meus pontos centrais são: como ficam os artistas que não nasceram em berço de ouro e não querem crescer na carreira através da celebração de vícios em troca de patrocínio e nem depender de financiamento estatal? Como ficam os artistas que querem trabalhar com liberdade e desejam promover o autoconhecimento, a espiritualidade e o protesto em suas canções?

Hoje existe uma alternativa. Trata-se do Crowdfunding (ou Financiamento Coletivo) que permite que qualquer pessoa apóie com qualquer valor o artista que ela acredita, uma troca justa onde ambos saem ganhando: o público, por receber uma arte sem amarras, o artista, que deixa de vender sua consciência para o sistema, e a sociedade, enriquecida pela livre expressão de uma vocação.

A produção do álbum Meu Caminho, que reunirá canções românticas, reflexivas e provocadoras, por exemplo, é minha primeira experiência nessa modalidade. Através desse tipo de campanha, qualquer pessoa pode contribuir com qualquer valor e receber uma recompensa condizente com a colaboração, dentro de uma plataforma segura e bem estruturada. Um alento para quem acredita na liberdade artística.  (Quem quiser conhecer, o link está no final desta publicação.)

A arte tem o poder de ampliar a consciência das pessoas e nenhuma grande transformação social pode ocorrer sem prévia preparação dos movimentos artísticos. Talvez seja por mais uma dessas coincidências e não pela deliberada intenção de restringir a consciência do público que os poderes constituídos e as mega fortunas estejam “comprando” e amarrando ideologicamente os artistas. O cabresto espiritual perfeito. E o povo, aceita inconsciente, ao pagar impostos sem questionar e ao consumir sem critérios. A “matrix” nunca esteve tão forte e organizada para oprimir consciências. Com a margem de liberdade que ainda é possível dentro da internet, será que não é a hora do próprio povo começar a escolher os trabalhos artísticos que quer apoiar?

*João Cássio é cantor e compositor
Link da campanha


Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree