-->

Após polêmica, pagamento de licença-prêmio a magistrados goianos é adiado

29 Março 2020

Tribunal de Justiça  diz entender que o governo do Estado está sobrecarregado com as despesas de contenção do Covid-19 e decidiu adiar os pagamentos

Sede do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, em Goiânia | Foto: TJ-GO | Reprodução

O profissionais magistrados não irão receber o pagamento da licença-prêmio a partir deste mês de março, como havia sido lançado na folha. A decisão foi do Tribunal de Justiça de Goiás, que por meio do desembargador Nicomedes Borges que negou a liminar da Associação dos Magistrados de Goiás (Asmego). A justificativa para o não pagamento é contenção de gastos, já que o governo do Estado está sobrecarregado de despesas financeiras devido às medidas de contenção do novo coronavírus. O pagamento será adiado.

A decisão de suspender o pagamento da licença-prêmio foi do desembargador Walter Carlos Lemes, presidente do TJGO. A Asmego decidiu, então, entrar com uma liminar para garantir o pagamento do benefício aos profissionais, mas o pedido foi negado por Borges. A licença-prêmio é um direito  assegurado em 11 de fevereiro, por Walter Calos, e publicado no Diário de Justiça Eletrônico. O argumento do desembargador foi com base na lei de 2018, que garante à magistratura os mesmos benefícios assegurados ao Ministério Público, por questão de isonomia.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree