-->

Como estudar no exterior de maneira paga e gratuita

23 Janeiro 2020

Estudando Direito na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Fernanda Trindade viu a sua vida mudar em 2018, quando foi aprovada no edital da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento

Científico e Tecnológico do Maranhão (FAPEMA), que selecionou alunos de graduação e pós-graduação para estagiar por até três meses em empresas ou universidades no exterior. No caso de Fernanda, a jovem optou pela Espanha.

“Eu e uma outra amiga, que também faz parte do mesmo grupo de pesquisa que eu, decidimos concorrer a uma dessas bolsas, já que cada projeto poderia ter até três estudantes. Em outubro de 2018 saiu o resultado, e tivemos a segunda maior nota na colocação geral.”

Divulgação

Vivendo uma experiência quequalifica como enriquecedora para a sua vida acadêmica, Fernanda realizou osonho de boa parte dos brasileiros, estudar em outro país com tudo pago. E essedesejo de expandir conhecimento e ter um diferencial no currículo é o quemotiva cada vez mais a procura pelo processo da mobilidade acadêmica, ou seja,estudar em alguma instituição de ensino no exterior.

Para a professora Josie Bastos,coordenadora da Divisão de Intercâmbio e Mobilidade (DIM) do Núcleo de RelaçõesInternacionais (NRI) da UFMA, o primeiro passo para quem deseja estudar fora édecidir o que pretende fazer ou em qual área deseja atuar no país de destino,já que existem diversas possibilidades, como estágio de três meses, mestrado,doutorado, doutorado sanduíche ou um curso de línguas.

“Há diversas formas de estudar em outro país, e quando o aluno já tem o seu objetivo, é preciso que ele se volte para o planejamento financeiro. É importante que ele se faça algumas perguntas básicas, como: eu posso pagar? Alguém pode pagar? Eu preciso de recursos externos? Como eu poderia conseguir esses recursos externos? A partir daí o aluno já tem uma noção de quais bolsas ou quais intercâmbios ele precisa procurar. Os editais são uma boa forma de conseguir custear e manter essa internacionalização, mas é preciso ficar atento e se preparar com antecedência para se candidatar a vaga”, afirma a coordenadora

Instituições como a FAPEMA e a Estudar Fora, que faz parte da Fundação Estudar, são algumas das opções para se informar sobre editais e bolsas integrais e parciais oferecidas pelas instituições de ensino de outros países ou por programas de incentivo ao estudo, como o Programa Fulbright, que oferece bolsas de pós-graduação em universidade americanas. Outra alternativa para quem já tem recursos para bancar a internacionalização é procurar as agências de intercâmbio, elas oferecem pacotes que incluem hospedagem, seguro viagem, consultoria e outros benefícios.  

“É muito importante ficar atentoaos critérios para se candidatar ao edital, principalmente por causa da língua,pois a maioria exige exames de proficiência da língua do país de destino parasaber se o aluno vai conseguir acompanhar as aulas e absorver o conteúdoensinado”, destaca a professora Josie Bastos.

Para quem deseja estudar em um país de língua inglesa, os testes mais comuns são TOEFL e IELTS, que custam até R$ 700 e que podem ser prestados a qualquer momento. Para países que têm o espanhol como língua oficial também existem duas possibilidades, o DELE e o SIELE, com valores que giram em torno de R$ 450, podendo ser prestados somente dentro do cronograma estabelecido. E quem pretende ir para França, o DELF e DALF são os principais exames aqui no Brasil, sendo aplicado duas vezes ao ano pela Aliança Francesa, e custando R$ 172, mas podendo chegar até R$ 612.

Divulgação

No caso da Fernanda, o espanhol nãofoi uma barreira para jovem, que ainda na escola fez um intercâmbio, tambémfinanciado, para a Argentina.

“Como eu era estudante de escolapública, consegui ir para outro país com tudo pago, o que foi um sonho, já queeu não tinha condições financeiras para custear uma viagem internacional. Essaexperiência foi fundamental para eu conseguir me adaptar na Espanha,principalmente por causa da língua, que era a mesma”, afirmou.

Apesar de alguns editais custear toda a viagem e estudos do aluno, a documentação é de total responsabilidade do estudante, que precisa tirar o passaporte, na Polícia Federal, e às vezes o visto, dependendo do território. No caso dos Estados Unidos, destino mais procurado, existem três modalidades de visto: Visto F, para quem pretende fazer graduação, pós, doutorado ou curso de inglês; Visto J, voltado para programas de pesquisa; e Visto B1/B2, indicado para quem vai fazer um curso de curta duração.

Após todos os trâmites financeirose da documentação, é preciso que o aluno fique atento ao contexto social queserá inserido. Conhecer o estilo de vida, como são feitas as transferênciasbancárias no país de destino, como funciona o transporte público são pontosessenciais para serem analisados antes de embarcar, diminuindo as chances deviver situações desconfortáveis e até mesmo traumáticas.

“Quando você estuda em outro paísvocê não tem apenas benefícios acadêmicos e curriculares, mas também temgrandes experiências sociais. Você percebe que existem outras formas de seviver, existem outras maneiras de se pensar, você abre o seu campo deconhecimento. Além disso, você trabalha recursos que estando aqui no Brasilvocê não teria que recorrer, ou seja, desenvolve habilidades de comunicação, deplanejamento, de gestão e de autonomia, pois são aptidões necessárias nainternacionalização, já que está em um cenário totalmente diferente”, aponta aprofessora Josie Bastos.

Para Fernanda Teixeira todo oprocesso de internacionalização valeu a pena, principalmente para o seudesenvolvimento pessoal e profissional.

“No meu caso que sou estudante dedireito, todo o meu interesse é na pesquisa e na produção acadêmica na área dedireitos humanos e direito internacional. Sem dúvida alguma o intercâmbioacadêmico nos coloca na linha de frente quando objetivamos seguir vidaacadêmica pós formatura. Pretendo ser professora na universidade e para issonecessito estar constantemente em contato com a pesquisa. Essa viagem foi umpasso inicial.”

Para mais informações sobre comoestudar no exterior, acesse: https://www.estudarfora.org.br/


Em breve novidade aqui!!!

Usuário(s) Online

Temos 18278 visitantes e Nenhum membro online
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree