Imprimir esta página
Terça, 22 Setembro 2020 18:01

Deputados fazem um minuto de silêncio pela morte de empresário e motorista de ônibus

A homenagem foi solicitada pelos deputados Marco Aurélio (PCdoB) e Wellington do Curso (PSDB), respectivamente.

Na sessão desta terça-feira (22), o plenário da Assembleia Legislativa fez um minuto de silêncio

em memória do empresário Bebeto Telles, que faleceu na manhã de hoje, em São Paulo, e do motorista de ônibus Francisco Teixeira, assassinado no sábado (19), durante um assalto em São Luís. A homenagem foi solicitada pelos deputados Marco Aurélio (PCdoB) e Wellington do Curso (PSDB), respectivamente.

O empresário Bebeto Telles, um dos históricos do PDT, era filho de Maria Lúcia Telles e Reginaldo Telles, ambos fundadores do partido no Maranhão. O corpo será velado na Pax União (Centro) e o sepultamento acontecerá nesta quarta-feira (23), no Cemitério do Gavião, na Praça da Saudade.

Bebeto lutava contra um câncer no pâncreas e estava hospitalizado na capital paulista. O pedetista deixa 12 irmãos e três filhos: Rafael, Yuri e Gabriel. Em maio de 2018, ele perdeu o pai e dois anos antes, em setembro de 2016, morreu a mãe.

Além de empresário, Bebeto foi jogador de handebol na Seleção Maranhense, tendo sido campeão brasileiro em 1979. Durante muitos anos, exerceu várias atividades empresariais e trabalhou, ainda, na Rádio Band de Açailândia e na TV Band de Imperatriz. Foi candidato a deputado estadual em 2014 e 2018. Atualmente, exercia atividade empresarial na Academia do Show, empresa referência no ramo de sonorizações e estrutura para eventos.

Motorista

Francisco Teixeira conduzia o ônibus que fazia a linha Bequimão/Ipase. Quando o veículo passou pela Avenida Jerônimo de Albuquerque, nas proximidades do Elevado da Cohama. os criminosos, que estavam na parte de trás do coletivo, anunciaram o assalto. Francisco teria se recusado a atender a ordem dos bandidos de parar o ônibus. Na manhã de domingo (20), os rodoviários do sistema de transporte público de São Luís decidiram paralisar suas atividades em protesto pela morte do colega.

Ler 26 vezes