-->

Congresso do PSDB vai marcar guinada à direita

07 Dezembro 2019
 

O "novo" PSDB preconizado pelo governador de São Paulo, João Doria, vai formalizar hoje, durante seu congresso nacional em Brasília, uma mudança programática que afasta o partido da origem social-democrata

e aproxima a legenda do eleitorado de direita e conservador que elegeu o presidente Jair Bolsonaro no ano passado.

Nas semanas que antecederam o evento, o partido promoveu uma consulta prévia pela internet para ouvir a militância tucana a respeito de temas sobre os quais a sigla vai se posicionar oficialmente. A ideia é que o resultado da enquete sirva de base para a votação dos 700 delegados esperados no evento.

Depois de acolher dissidentes bolsonaristas como o deputado Alexandre Frota (SP), o empresário Paulo Marinho e o advogado e ex-ministro Gustavo Bebianno, o PSDB agora vai abraçar bandeiras que ajudaram a eleger o presidente, como a redução da maioridade penal para 16 anos em caso de crimes hediondos, o fim da estabilidade para servidores públicos e o pagamento de mensalidade em universidades públicas.

Embora busque se aproximar do eleitor que elegeu Bolsonaro, o partido vai marcar uma posição crítica e de afastamento do governo. Principal quadro do PSDB, Doria projeta uma disputa com o presidente pelo eleitor conservador na corrida presidencial de 2022.

"O PSDB terá mais a cara do Doria, das novas lideranças e da militância. É o momento de posicionamento e modernização", afirmou o presidente do diretório paulista do PSDB, Marco Vinholi, aliado do governador. O dirigente tucano ponderou, entretanto, que o partido vai defender temas que, de acordo com ele, estão distantes da agenda bolsonarista, como a defesa da democracia e das liberdades individuais.

No campo econômico, a sigla pretende encampar as reformas patrocinadas pela equipe econômica do governo federal e defender as privatizações e concessões, algo que destoa do ideário de fundação do PSDB.

Procurado pela reportagem, Doria respondeu apenas que o congresso estabelece "um novo posicionamento do PSDB" sobre temas brasileiros no plano social e econômico.

Oposição

A relação dos tucanos com o governo Bolsonaro provoca divergências no partido, especialmente na bancada de deputados federais. Enquanto uma ala da legenda prega uma proximidade estratégica e aceita a presença de tucanos na administração federal, um outro grupo defende o apoio às reformas, mas o distanciamento total no campo político.

"Nós somos oposição e isso é claríssimo. É óbvio que apoiamos as reformas, mas você acha que temos algo a ver com esse discurso do AI-5?", afirmou o ex-senador José Aníbal, que coordenou o grupo de trabalho sobre a relação com o governo.

Durante a preparação do encontro, houve um tensionamento nos bastidores entre os "doristas" e o grupo que tenta reduzir a força do governador na máquina partidária. Aliados de Doria temiam que diretórios estaduais mobilizassem militantes para vaiar o governador paulista e, em reação, ameaçaram levar uma claque para blindá-lo. O presidente do partido, Bruno Araújo, teve de intervir para apaziguar os ânimos.

Evento

Pelo programa do congresso, Doria será o principal orador do evento. Além dele estarão presentes os governadores Eduardo Leite (RS) e Reinaldo Azambuja (MS) e prefeitos tucanos e militantes de grupos temáticos como LGBT, negros e mulheres.

Fundado em 1988, o PSDB surgiu de uma dissidência do MDB como uma sigla social-democrata e liberal. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Deixe seu Comentário

Veja Também

POLÍTICA
Maia fala em contingenciamento 'linear' de ministérios
POLÍTICA
Licitação que excluiu 'Folha' é revogada
POLÍTICA
Técnicos cobram controle em projeto de emendas
SEGREDO
Planalto mantém sob sigilo gastos do cartão corporativo
POLÍTICA
Justiça suspende reforma da previdência de Doria na Alesp

Em breve novidade aqui!!!

Usuário(s) Online

Temos 1034 visitantes e Nenhum membro online
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree