-->

Referência a Goebbels feita por Roberto Alvim repercute na imprensa estrangeira

17 Janeiro 2020
A revista alemã Der Spiegel disse que o discurso de Alvim foi chocante - Foto: Reprodução

A imprensa estrangeira repercute nesta sexta-feira, 17, o vídeo publicado nas redes sociais

da Secretaria Especial de Cultura do governo Jair Bolsonaro (sem partido). Na publicação, o agora ex-secretário Roberto Alvim ecoa trechos de discurso de Joseph Goebbels, ministro da Propaganda na Alemanha nazista.

A revista alemã Der Spiegel disse que o discurso de Alvim foi chocante e destacou a ideia do ex-secretário de promover "religião e nacionalismo na arte". A publicação classificou o governo Bolsonaro como "populista de direita" e destacou também a reação da Embaixada da Alemanha no Brasil, que no Twitter disse opor-se "a qualquer tentativa de banalizar ou mesmo glorificar a era do nacional-socialismo".

Nos Estados Unidos, o jornal The New York Times destacou a demissão de Alvim por "evocar propaganda nazista" em vídeo que tocava ao fundo "uma ópera que Adolf Hitler considerava sua preferida". O periódico chamou a atenção dos leitores para as críticas que Alvim atraiu para si, mencionando falas do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, do escritor Olavo de Carvalho - descrito como promotor de teorias da conspiração e influência intelectual sobre Bolsonaro -, do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e da embaixada alemã no Brasil.

A agência de notícias Bloomberg acusou Alvim de "parafrasear líder nazista" e lembrou que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, é judeu e também se juntou aos que demandaram a demissão do chefe da Cultura.

O jornal espanhol El País deu destaque à justificativa de Jair Bolsonaro no anúncio da demissão de Roberto Alvim publicado em suas redes sociais. O presidente brasileiro falou em "pronunciamento infeliz" do ex-secretário e disse "repudiar as ideologias totalitárias.

Além desses veículos, as falas e a demissão de Roberto Alvim também foram repercutidas pelas agências Efe, Lusa e Reuters, pelo jornal francês Le Figaro, pela rede de TV norte-americana CNN, entre outros.

Deixe seu Comentário

Veja Também

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree