-->

Preocupações com coronavírus levaram ouro ao maior valor em 7 anos

25 Fevereiro 2020
O contrato de ouro para entrega em abril era cotado a US$ 1676,60 por onça-troy, alta 1,69% - Foto: Classen Rafael / EyeEm/Getty Images

Os temores de propagação do

novo coronavírus fora da China fizeram o ouro registrar na segunda-feira, 24, o maior valor em sete anos, flertando com a marca de US$ 1.700 por onça-troy (medida usada nas negociações de alguns metais preciosos, equivalente a 31,1 gramas). Investidores buscaram a segurança do metal precioso, que chegou a ser negociado a US$ 1.691,70 no mercado futuro.

No fim da sessão em Nova York, o contrato de ouro para entrega em abril era cotado a US$ 1676,60 por onça-troy, alta 1,69%.

Por outro lado, os contratos futuros de petróleo fecharam em queda com o salto no número de casos de coronavírus na Itália e preocupações com a epidemia em países como Coreia do Sul e Irã, onde novos casos apareceram nos últimos dias.

Investidores também mantêm no radar a falta de consenso entre integrantes da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+) sobre um corte mais aprofundado na produção do cartel.

O petróleo WTI para entrega em abril encerrou o dia em queda de 3,65%, a US$ 51,43 o barril na New York Mercantile Exchange (Nymex), enquanto o Brent para o mesmo mês cedeu 3,76%, sendo cotado a US$ 56,30 o barril na Intercontinental Exchange (ICE), em Londres.

O aumento rápido de casos na Itália acendeu um alerta com temores de que o país possa ser o centro de um surto maior na Europa. Sete pessoas já morreram no país, e o número de infectados passa dos 200. A OMS considerou como "profundamente preocupante" o aumento de casos nos territórios italianos, iraniano e sul-coreano.

Em relatório enviado a clientes, analistas do ING apontam que os municípios afetados na Itália estão próximos de vizinhos economicamente relevantes, como Milão. "A principal preocupação será se o vírus pode ser contido sem afetar as atividades industriais e de serviços, no momento em que a economia italiana está flertando com outra recessão técnica."

Já o alemão Commerzbank disse que, "se mais países e continentes são afetados pelo vírus, é provável que isso tenha efeitos de frenagem substancial na atividade econômica do bloco europeu. Uma demanda mais fraca por petróleo aumentaria ainda mais o excesso de oferta" existente no mercado.

"Há uma necessidade maior de que a Opep e seus produtores aliados reduzam a produção mais acentuadamente. No entanto, a aliança entre a Arábia Saudita e a Rússia parece estar pendente, aparentemente porque a Rússia se recusa obstinadamente a qualquer corte adicional na produção", lembra Carsten Fritsch, analista do banco alemão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Deixe seu Comentário

Veja Também


Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree