-->

Suspensão do pagamento de dívidas em decorrência do coronavírus

27 Março 2020
Odilon de Oliveira - Foto: Divulgação

Com base também na Lei 13.979, de 06/02/20, e dentro dos limites da autonomia dos Estados e Municípios, por conta do coronavírus, foram

decretadas diversas medidas que vêm afetando diretamente a economia, a exemplo do isolamento domiciliar ou distanciamento social e da proibição de funcionamento de muitas atividades.

Estas e tantas outras medidas restritivas inviabilizarão grande parte dos negócios empresariais e de atividades individuais. As empresas, grandes ou pequenas, por outro lado, merecem toda a atenção dos governos, estaduais, municipais e federal. O risco de ruína não foi causado por nenhuma delas, mas por motivo de força maior, que provém da natureza.

O escritório Adriano Magno e Odilon de Oliveira Advogados Associados traz orientações a respeito do tema.

O sistema financeiro nacional, composto, na maior parte, pelos bancos, deve flexibilizar seu rigor em relação aos seus devedores, pessoas físicas e jurídicas. Já existem muitas decisões judiciais prorrogando vencimentos de dívidas bancárias, por pelo menos 60 ou 90 dias. Diga-se o mesmo em relação a débitos decorrentes de financiamento imobiliário.

É juridicamente possível, igualmente, a obtenção, na justiça, de ordem para suspensão de cobrança, administrativa ou judicial, de impostos federais, estaduais e municipais. Já existem decisões neste sentido, também da Justiça Federal.

Em caso de dívida bancária ou de impostos, a empresa ou devedor, como efeito secundário, tem o direito de não ter seu nome levado ao serviço de proteção ao crédito (SPC, SERASA), ao cartório de protesto ou ao CADIN e de não ter suas contas bancárias ou aplicações financeiras bloqueadas. Essas medidas judiciais podem ser manejadas também em relação às ações de cobrança em andamento.

No caso de impostos (federais, estaduais e municipais) e de dívidas bancárias, a suspensão da cobrança atende ao princípio do equilíbrio contratual, ainda mais porque o COVID-19 não surgiu por culpa de nenhuma das partes (credor ou devedor), mas o fato proveniente a natureza. O equilíbrio financeiro de uma empresa, grande, média, pequena ou micro, evita sua ruína e o desemprego de milhões de pessoas pelo Brasil afora.

Outras orientações: http://adrianoeodilon.adv.br.

*o autor é juiz federal aposentado e integrante do Escritório Adriano Magno e Odilon de Oliveira Advogados Associados

Deixe seu Comentário

Veja Também

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree