-->

Pandemia muda a cara da capital da Espanha

29 Março 2020
Homem passa por aviso sobre isolamento em Madri - (Foto: Arquivo)

A crise mudou a capital da Espanha. O Ifema, gigantesco espaço para feiras no nordeste de Madri, está

ocupado pelo Exército, que montou um hospital de campanha com 5,5 mil leitos. Por decisão do governo, vários hotéis - vazios em razão da crise - abriram as portas para receber doentes e amenizar a falta de vagas em hospitais. A Associação Empresarial Hoteleira ofereceu 9 mil camas, incluindo em estabelecimentos de alto padrão, como o Marriot.

Outro impacto visível da pandemia na capital espanhola é econômico. Na semana passada, o Idealista, site especializado em encontrar apartamentos, em um único dia, ganhou 250 novas unidades de proprietários madrilenhos que fugiram do aluguel por temporada, mercado que entrou em colapso na cidade.

A falta de turistas e o confinamento compulsório dos espanhóis são responsáveis por acontecimentos sem precedentes todos os dias. No dia 17, pela primeira vez, o emblemático trem-bala que liga Madri a Barcelona fez uma viagem com todos os assentos vazios. O Congresso da Espanha também está às moscas, com sessões que contam com a presença de apenas 15 deputados, de um total de 350.

A crise, que já causou uma contração de 1% do PIB, segundo estimativas do governo, também vem criando novos laços de solidariedade. Espontaneamente, surgiu na Espanha um movimento que leva cartas de apoio a médicos e pacientes que não podem ver seus parentes em razão do isolamento. Em poucos dias, foram enviadas 35 mil cartas.

Também se tornou comum em Madri - assim como na Itália - a socialização nas varandas dos apartamentos. Em breves caminhadas pelas ruas desertas da capital é possível escutar música, concertos improvisados e até bingo entre os vizinhos.

Os médicos acreditam que o pico da pandemia na Espanha será atingido pouco antes da Páscoa. Enquanto isso, os 6 milhões de habitantes da capital aguardam ansiosamente a volta às ruas e aos terraços para aproveitar o sol da primavera.

Muitos madrilenhos encaram a pandemia como um novo cerco. O último havia sido em 1939, quando a cidade foi tomada pelas tropas de Francisco Franco, que derrubou a Segunda República e inaugurou uma longa ditadura. Oito décadas depois, a capital volta a ser sitiada, em clima de guerra, mas contra um inimigo invisível que pode estar em qualquer lugar, a qualquer momento.

Deixe seu Comentário

Veja Também

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree