-->

Juíza manda Bolsonaro suspender campanha contra isolamento; após reações, governo apaga publicações

29 Março 2020
O presidente da República Jair Bolsonaro durante anúncio de medidas econômicas contra o novo coronavírus. - (Foto: Arquivo)

A Justiça Federal do Rio determinou ontem a suspensão da campanha

"O Brasil não pode parar", lançada na quinta-feira pelo governo federal, que prega a volta dos brasileiros ao trabalho e recomenda quarentena só aos idosos. Após repercussão negativa, que resultou em ações judiciais contra a campanha, o governo apagou ao menos três publicações com o slogan postadas nas redes sociais. Apesar de terem ficado disponíveis por três dias nas contas oficiais do governo Jair Bolsonaro, com milhares de reações, o Palácio do Planalto agora nega ter divulgado as peças.

A decisão da juíza plantonista Laura Bastos Carvalho determina ainda que o Planalto se abstenha de veicular por rádio, televisão, jornais, revistas, sites ou algum outro meio físico ou digital qualquer outra mensagem que sugira à população "comportamentos que não estejam estritamente embasados em diretrizes técnicas, emitidas pelo Ministério da Saúde". Em caso de descumprimento, a multa estabelecida é de R$ 100 mil por infração.

Na quarta-feira, um dia depois do pronunciamento feito pelo presidente Jair Bolsonaro em cadeia nacional defendendo o mote da campanha, a Secretaria Especial de Comunicação (Secom) publicou duas imagens no Twitter e no Instagram com a hashtag "#OBrasilNãoPodeParar". Na legenda, escreveu que, "no mundo todo, são raros os casos de vítimas fatais do coronavírus entre jovens e adultos".

A campanha dá a senha para a defesa do fim do isolamento horizontal. "A quase totalidade dos óbitos se deu com idosos. Portanto, é preciso proteger estas pessoas e todos os integrantes dos grupos de risco, com todo cuidado, carinho e respeito. Para estes, o isolamento. Para todos os demais, distanciamento, atenção redobrada e muita responsabilidade", dizia o texto, agora apagado. As postagens estavam visíveis até a noite de sexta-feira. Na quinta-feira, uma edição extra do Diário Oficial da União tornava pública a contratação de uma agência de publicidade por R$ 4,9 milhões e sem licitação, sem relação com a campanha, segundo a Secom.

Um vídeo semelhante circulou pelo WhatsApp. Ao final das imagens, aparece a marca do governo federal. O senador Flávio Bolsonaro, filho do presidente, compartilhou a peça.

Experimento
A Secom admitiu anteontem a existência do vídeo, mas disse que se tratava de um projeto "experimental", que não passou pelo crivo do governo. Também disse que "por enquanto" não há campanha sobre a pandemia em circulação.

Print de post feito pela conta da Secom sobre a campanha 'O Brasil Não Pode Parar'. Publicação foi deletada neste sábado.
Print de post feito pela conta da Secom sobre a campanha ‘O Brasil Não Pode Parar’. Publicação foi deletada neste sábado. Foto: Reprodução

Mas ontem, após a decisão da Justiça, a Secom mudou a versão e divulgou uma nova nota na qual nega ter veiculado peças publicitárias sobre o tema e a existência de qualquer campanha. Questionada, não explicou por que as peças foram apagadas nem o motivo das publicações com o slogan "#OBrasilNãoPodeParar".

A Advocacia-Geral da União informou que aguarda ser intimada e que apresentará esclarecimentos em juízo. Em nota, afirmou que integra comitê de crise contra o covid-19 para dar segurança jurídica aos atos do governo.

Arquivos

Clique aqui e confira na íntegra a decisão;
Clique aqui e confira a petição inicial do MPF.

Deixe seu Comentário

Veja Também

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree