-->

Maia quer votar orçamento paralelo em dois turnos na próxima semana

03 Abril 2020
Maia voltou a defender o isolamento social como estratégia par evitar a disseminação do vírus - Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ),

disse hoje (3) que espera votar até o início da próxima semana os dois turnos da Proposta de Emenda à Constituição 10/2020 (PEC 10/2020) que cria o orçamento paralelo para financiar as medidas de combate à pandemia do novo coronavírus (covid-19). A PEC está na pauta de votação da sessão remota desta sexta-feira (3) e cria um regime extraordinário fiscal, financeiro e de contratações, chamado de orçamento de guerra, para facilitar a aplicação dos recursos.

A proposta determina que o novo regime vale enquanto durar o estado de calamidade pública “para atender as necessidades dela decorrentes, somente naquilo em que a urgência for incompatível com o regime regular”.

Maia voltou a defender, em uma teleconferência promovida pelo jornal Valor Econômico e banco Itaú, o isolamento social como estratégia par evitar a disseminação do vírus.

Questionado sobre a divergência de opiniões entre o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e o presidente Jair Bolsonaro, Maia disse que o papel do Parlamento é focar na busca de soluções para a pandemia e que qualquer crise nesse sentido deve ficar restrita ao Palácio do Planalto.

“Nosso papel é amortecer a crise e estabelecer prioridades na pauta, se conseguirmos votar a PEC do orçamento de guerra entre hoje (3) e segunda-feira (6), será uma bela iniciativa”, disse.

Gastos

Na avaliação de Maia, a PEC vai permitir a organização do gasto durante o período de pandemia, uma vez que o governo fica dispensado a cumprir algumas regras constitucionais e legais como a da meta de superavit primário, podendo aumentar as despesas e a concessão de benefícios ou a ampliação de incentivos de natureza tributária, com renúncia de receita.

O deputado disse ainda que a PEC é uma saída de curto prazo e que o volume de recursos a ser aplicado durante o período da pandemia pode variar de 5% chegando a até 10% do Produto Interno Bruto Brasileiro (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país), que em 2019 foi de R$ 7,3 trilhões.

Maia disse anda que acredita na existência de consenso para aprovar um dos pontos da PEC, o que autoriza o Banco Central a comprar títulos do Tesouro Nacional para ajudar a dar liquidez a empresas durante a crise do coronavírus. "Tem muito consenso na Câmara, inclusive entre partidos da esquerda, em relação a esse pleito que o Banco Central fez há duas semanas", disse.

A PEC cria um comitê de gestão de crise, encabeçado pelo presidente da República e pelos ministros da Secretaria-Geral da Presidência da República, da Saúde, da Economia, da Cidadania, da Infraestrutura, da Agricultura e Abastecimento, da Justiça e Segurança Pública, da Controladoria-Geral da União e da Casa Civil.

Também participam do colegiado, que terá entre outras atribuições aprovar as ações com impacto orçamentário relacionadas ao enfrentamento do vírus, com poder de criar e destituir subcomitês, representantes de dois secretários das secretarias de Saúde, de Fazenda e dois da Assistência Social de estados e de dois representantes de órgãos similares dos municípios.

Na quarta-feira (1º), o relator da PEC do orçamento de guerra, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB), apresentou o parecer.

Deixe seu Comentário

Veja Também

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree