-->

Ex-chefe do atletismo, senegalês Lamine Diack pega 2 anos de prisão por corrupção

16 Setembro 2020
A sua sentença, foi dada por envolvimento em casos de corrupção, tráfico de influência e lavagem de dinheiro - (Foto: Thomas Samson/AFP)

O senegalês Lamine Diack, ex-presidente

da World Athletics (antiga Iaaf, Associação Internacional de Federações de Atletismo na sigla em inglês), foi condenado nesta quarta-feira a dois anos de prisão após julgamento realizado em Paris, na França. A sua sentença, que poderia ser de quatro anos de reclusão, foi dada por envolvimento em casos de corrupção, tráfico de influência e lavagem de dinheiro. Além disso, terá de pagar uma multa de US$ 594 mil (R$ 3,12 milhões na cotação atual).

Diack, hoje com 87 anos, dirigiu a World Athletics entre 1999 e 2015 e também foi membro do COI (Comitê Olímpico Internacional). E foi julgado por corrupção em exames antidoping de atletas russos desde 2011.

A 32.ª sala do Tribunal Correccional de Paris julgou o ex-dirigente senegalês por ter permitido atrasar os procedimentos disciplinares de atletas russos suspeitos de doping, sob o pagamento de propina vinda de Moscou. Ele também foi acusado de ter ajudado seu filho, Papa Massata Diack, então chefe de marketing da entidade, a se apropriar de vários milhões de dólares em negociações com patrocinadores.

Peça-chave no caso, Papa Massata também está sendo julgado pelos mesmos crimes do pai. A pena, pedida pelos promotores, porém, é de cinco anos de prisão, com o mesmo valor da multa.

"Sou inocente dos fatos e das acusações, não há provas tangíveis e irrefutáveis das quais eu possa ser atribuído a essas acusações. Recuso-me a comparecer nos tribunais franceses porque falta imparcialidade", disse, em entrevista coletiva de imprensa na última segunda-feira, o filho de Lamine, que está extraditado do Senegal e será julgado à revelia.

Outras quatro pessoas podem ser presas na investigação: o antigo chefe de controle antidoping da Iaaf, Gabriel Dollé, o advogado de Lamine Diack, Habid Cissé, o ex-presidente da Federal Nacional de Atletismo Russa, Valentin Balakhnichev, e o ex-treinador Alexeï Melnikov.

A chantagem sobre atletas russos para não suspendê-los por doping podem ter rendido mais de 3,4 bilhões de euros (R$ 21,37 bilhões) para Diack. O seu advogado, William Bourdon, havia pedido que o ex-dirigente senegalês não seja enviado à prisão e impedido de "morrer com dignidade, abraçados por seus familiares e deu povo, em sua terra natal".

Banner Whatsapp Desktop

Deixe seu Comentário

Veja Também

Mais Lidas

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree