-->

Cassado mandato do vereador Osimar Barbosa (PSC), em plenário na Câmara Municipal de Ipatinga

18 Novembro 2019

A votação aconteceu nesta segunda-feira (18). Masinho ficou preso por pouco mais de quatro meses, em Ipaba, suspeito de 'rachadinha'. Masinho foi preso em abril durante investigação da Operação
Dolos Reprodução/Câmara de Ipatinga Aprovada, no início da tarde desta segunda-feira (18), a cassação do mandato do vereador Osimar Barbosa (PSC), Masinho. 14 vereadores votaram pela cassação no plenário da Câmara Municipal de Ipatinga. Para que o parlamentar fosse cassado, eram necessários 13 votos. Masinho é suspeito de participar de um esquema de manipulação de salários de servidores conhecido como ‘rachadinha’. Estiveram presentes 16 vereadores e três parlamentares, Marcia Perozini (MDB), Vanderson Autotrans (PROS) e Avelino Ribeiro (Avante) não compareceram. Dois vereadores, Nilsin da Transnil (MDB) e Toninho Felipe (MDB), votaram contra. Ninguém se absteve. O relatório final da comissão processante que foi lido no início da Reunião Extraordinária, concluiu que o vereador cometeu quebra de decoro parlamentar pela prática de ‘rachadinha’, consistente na exigência de parte da remuneração de assessores parlamentares. O vereador, durante seu discurso de defesa, disse que foi injustiçado e questionou o parecer final do relatório da comissão. “Para finalizar minha fala, peço a vocês, vereadores, que vocês sejam justos comigo”, disse. Osimar Barbosa ficou preso por pouco mais de quatro meses na Penitenciária Dênio Moreira de Carvalho, em Ipaba. Ele e outros seis vereadores foram detidos na Operação Dolos, do Gaeco. A cassação do mandato de Gilmar Ferreira Lopes (PTC) será julgada nesta terça-feira (19), no plenário da Câmara Municipal. Entenda o caso A operação Dolos é uma ação conjunta entre Ministério Público, Polícias Civil e Militar, através do Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Segundo as investigações, vereadores de Ipatinga contratavam assessores e exigiam deles parte do salário de volta. De acordo com o MP, o esquema para arrecadar a verba acontecia de mais de uma maneira. A primeira delas no recebimento e entrega de valores em espécie ao representante do Legislativo por parte do funcionário contratado. A segunda modalidade era a retenção do cartão bancário, com o repasse de pequeno valor ao funcionário e manipulação na folha de ponto; muitos destes funcionários, segundo o Gaeco, eram "fantasmas". A terceira, o vereador determinava a realização de empréstimos bancários por parte de servidores com o saque e transferência para contas de interpostas pessoas que eram usadas como laranjas visando maquiar o real destino dos valores. De acordo com o Ministério Público, além do enriquecimento ilícito, o dinheiro exigido dos assessores servia para fortalecimento dos vereadores em bairros, visando as eleições municipais. Ao todo, 12 pessoas foram denunciadas na operação, entre vereadores, assessores, contadores, corretores de imóveis e comerciantes. São investigados no esquema, segundo o Gaeco, os ex-vereadores Paulo Reis (PROS), Rogério Antônio Bento (sem partido), José Geraldo de Andrade (Avante), Wanderson Gandra (PSC), Luiz Márcio Rocha (PTC), Gilmar Ferreira Lopes (PTC) e Osimar Barbosa (PSC). Veja mais notícias da região no G1 Vales de Minas Gerais.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree