-->

Pode Perguntar: 7 dicas que ajudam a fugir da demora do INSS na análise da aposentadoria

26 Fevereiro 2020

Especialista em Previdência, Hilário Bocchi Júnior explica que o trabalhador deve fazer uma espécie de "Raio-X" da situação previdenciária, antes de ingressar com o pedido. 'Pode Perguntar': contratações temporárias
para o INSS devem demorar dois meses A correria e a pressa para se aposentar podem agravar ainda mais a demora na análise do benefício. A Previdência Social tem a obrigação de orientar, analisar - em 45 dias - e conceder ao trabalhador o benefício mais vantajoso. Atualmente, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) está atrasado. Mesmo assim, o segurado pode ter o caso analisado com mais rapidez, basta fazer um Raio-X da situação previdenciária, antes de ingressar com o pedido. Você também tem dúvidas? Envie para o e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. VEJA LISTA DE ASSUNTOS COMENTADOS NO PODE PERGUNTAR 1. Tudo é digital Quase tudo no INSS é digital e as pessoas que não têm familiaridade com a informática encontram dificuldade para acessar a internet, digitalizar documentos e incluir na plataforma “Meu INSS”. Isso induz ao erro. Os documentos devem estar legíveis. O trabalhador que não domina esta tecnologia deve pedir a ajuda de um amigo, da família ou até de um profissional. 2. CNIS e dados cadastrais Os benefícios são concedidos e calculados com base nas informações que estão no Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS). A Previdência pode exigir que o segurado regularize e corrija imperfeições no CNIS e isso certamente vai retardar a análise do processo - e o que é pior, o benefício pode ser negado ou concedido errado. É importante que todos os dados sejam analisados e corrigidos antes do requerimento do benefício. 3. Resumo do pedido Como são muitos casos para a Previdência analisar, além do requerimento padrão fornecido pela Previdência, o segurado ou o dependente podem fazer um resumo detalhado do que pretendem. Isso ajudará o servidor na hora da análise do processo. Apontar o tempo de serviço, os períodos que precisam ser comprovados, o valor de contribuições omitidas, bem como detalhes sobre eventual doença ou deficiência - se for o caso - podem tornar a análise menos complexa. 4. Documentação completa e em ordem Quando se tratar de tempo de serviço, principalmente com atividades especiais, os documentos devem ser apresentados na ordem cronológica: carteira de trabalho, carnês de contribuição (Guia da Previdência Social), Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) e outros. A documentação incompleta pode prejudicar o direito ao benefício e o INSS pode parar a análise do processo, e pedir novos documentos. 5. Saber o que quer Quando o segurado faz o pedido de um benefício no "Meu INSS", marca a aposentadoria que ele quer. Mas, o sistema do INSS deveria ser mais específico porque os servidores têm que analisar em qual regra o trabalhador vai se enquadrar. Assim, para ganhar velocidade no processo - e até mesmo para conseguir o benefício pretendido, evitando recursos e mais demora na análise - é bom deixar bem claro em qual regra o contribuinte quer se aposentar: direito adquirido, regra de transição ou novas regras. 6. Conhecer os recursos Apesar de existirem muitos recursos para se discutir a decisão da Previdência, quando a aposentadoria é negada, existem muitas ferramentas à disposição do segurado para ter um resposta mais rápida: novo requerimento, alterar a data do requerimento (reafirmação da DER) ou entrar com processo na Justiça. 7. Se quer continuar trabalhando Quem quer aposentar e continuar trabalhando tem que deixar isso claro para não ter problema na empresa, nem ter que discutir isso na Previdência. O servidor público celetista pode mostrar que tinha o tempo antes da Reforma da Previdência; Quem vai ter aposentadoria especial pode mudar de atividade e continuar trabalhando; Quem não está totalmente incapaz pode receber benefício por incapacidade e continuar trabalhando. Aplicativo Meu INSS Reprodução/EPTV Leia mais sobre aposentadoria e direitos trabalhistas
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree