-->

Carreata pede abertura do comércio em Poços de Caldas, mas fechamento é mantido

27 Março 2020

Manifestação feita por comerciantes circulou pelas principais ruas da cidade. Desde o final da última semana, apenas serviços essenciais estão liberados para funcionar no município. Empresários fazem carreata
e pedem reabertura do comércio em Poços de CaldasEmpresários de Poços de Caldas (MG) organizaram carreata pedindo o afrouxamento do decreto da prefeitura para que o comércio possa voltar a abrir as portas na cidade. A manifestação ocorreu no nesta sexta-feira (27) e teve início por volta das 17h no Estádio Ronaldão, circulando por várias ruas e avenidas. Ação semelhante ocorreu em Varginha um dia antes. Durante a carreata os manifestantes fizeram ‘buzinaço’ e pediram a reabertura das lojas de Poços de Caldas. No entanto, o Comitê de Combate do Coronavírus de Poços de Caldas decidiu por manter o decreto que proíbe a abertura do comércio e vai aguardar até, pelo menos, a próxima quarta-feira (1º), para verificar como está a situação do novo coronavírus. Uma nova decisão pode ser tomada após essa avaliação. A Associação Comercial de Poços Caldas informou que não participou das manifestações e disse que está junto as autoridades do município com cautela, para encontrar o melhor caminho para que sejam minimizados os efeitos econômicos aos associados. Empresários pediram reabertura do comércio em Poços de Caldas (MG) durante carreata Reprodução/EPTV Prefeito pede solução do governo e do presidente O prefeito Sérgio Azevedo (PSDB) fez um desabafo nas redes sociais sobre a situação que as prefeituras que estão enfrentando. Ele pediu que a decisão de reabertura ou não do comércio seja tomada pelos governos estadual e federal para que os municípios não escolham entre “ter falidos ou ter falecidos”. “[Trago] um sentimento de um prefeito, que tenho certeza que é o mesmo dos mais de 5.500 prefeitos de todo país. Um dilema, o que a gente faz? Vamos ter falidos ou ter falecidos. Todos nós fechamos o comércio, porém, a pressão é grande. Temos que ter uma ação única em nosso país em que todos sigam. O que nós vamos fazer para os nossos comerciantes que estão sendo sacrificados, os pequenos, médios e grandes comerciantes. Eles precisam ter uma decisão de vocês [governos estaduais e federal], é daí que esse dinheiro tem que vir e socorrer essas pessoas. Não é justo que eles paguem o pato sozinho”, disse. Veja mais notícias da região no G1 Sul de Minas
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree