-->

Após suspensão de atividades por causa da Covid-19, Fiemg relata instabilidade industrial nas cidades da região Centro-Oeste

27 Março 2020

Enfrentamento ao coronavírus prevê paralisação em diversos setores e Fiemg declara preocupação. Veja como está a situação em Divinópolis, Nova Serrana, Pará de Minas, Itaúna e outros municípios.
Fiemg avalia instabilidade na indústria do Centro-Oeste Sindinova/Divulgação Após uma semana em que os municípios iniciaram as publicações de decretos suspendendo as atividades comerciais e industriais no Centro-Oeste do estado, em enfrentamento ao novo coronavírus, a Federação das Industrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) avaliou como instável o mercado industrial em cidades da região como Divinópolis, Nova Serrana, Itaúna e outros municípios. Ainda de acordo com a Fiemg, um estudo elaborado pela entidade aponta que Minas Gerais pode fechar o ano de 2020 com a perda de 2,02 milhões de empregos formais, considerando a paralisação quase total das atividades produtivas em um período 30 dias. A exemplo de Nova Serrana que definiu pelo retorno das atividades no dia 1º de abril, a Fiemg avalia que outros municípios devem fazer o mesmo, uma vez que a pandemia do novo coronavírus causou interrupções na produção industrial em todo Centro-Oeste de Minas, região que é marcada pela pluralidade de segmentos. Veja a situação nos municípios da região. Divinópolis - o último decreto que determina sobre permissões ou não de estabelecimentos autoriza que indústrias e construção civil voltem a operar. De acordo com informações do Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), Sindicato das Indústrias do Vestuário de Divinópolis (Sinvesd) e Sindicato da Indústria das Indústrias Siderúrgicas do Oeste de Minas (Sindigusa), os setores correspondentes estão em atividade, tomando as medidas de prevenção orientadas, embora, algumas fábricas tenham determinado férias coletivas para seus funcionários por falta de demanda. Nova Serrana - uma reunião entre o prefeito Euzébio Lago, definiu nesta sexta-feira (27), pelo retorno das atividades comerciais e industriais na cidade, a partir do dia 1º de abril. A decisão foi anunciada em uma reunião que contou com a presença de representantes do Comitê de Enfrentamento e Emergência em Saúde, além da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e do Sindicato das Indústrias Calçadistas (Sindinova), que integram o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social no município. Itaúna - Em Itaúna a situação é variável. De acordo o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e do Material Elétrico de Itaúna, (Sindimei), algumas fábricas estão em atividade e outras em suspensão da produção. Santo Antônio do Monte - De acordo com a assessoria de comunicação da Prefeitura de Santo Antônio do Monte, o Ministério Público está mobilizado para conseguir um acordo que autorizasse o retorno das atividades, que permanecem suspensas. As fábricas de fogos localizadas em Lagoa da Prata permanecem em atividade. Pará de Minas - Em Pará de Minas, o setor industrial continua em atividade, embora algumas indústrias tenham feito a opção de fechar por falta de demanda. Cláudio - Por força de decreto, o setor industrial de Cláudio está com paralisação das atividades de 25 de março até o dia 5 de abril. De acordo com a Associação das Indústrias Metalúrgicas (Asimec), está prevista uma nova reunião para tratar do assunto na próxima segunda-feira (30). Carmo do Cajuru - Em Carmo do Cajuru, as fábricas de móveis estão 100% paradas por força de decreto. O Sindicato das Indústrias de Móveis e Artefatos de Madeira no Estado de Minas Gerais (Sindimov) está buscando junto ao prefeito a liberação de parte do parque industrial para a próxima semana. Situação ainda está em negociação. Pains e Arcos - De acordo com informações da Associação dos Mineradores de Pains, Arcos e Região (Ampar), em Arcos e Pains os decretos não afetaram a mineração e a produção das indústrias de cal não foi paralisada. Visando evitar a propagação do vírus, as próprias indústrias criaram medidas paliativas, como trabalho home office e férias coletivas para os setores administrativos. A produção continua em atividade com algumas ações, como horários alternados no refeitório e distribuição de álcool em gel.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree