-->

Mais de 30 policiais militares ‘desertores’ são presos no Ceará durante motim da categoria

24 Fevereiro 2020

Carros tiveram os pneus furados em frente a batalhões de polícia em Fortaleza — Foto: José Leomar/SVM

Policiais faltaram a chamada para atuar na segurança de festas carnavalescas

no interior do estado.

Policiais militares do Ceará considerados desertores foram presos neste domingo (23) por faltarem a um chamada para trabalhar na segurança em festas de carnaval no interior do Ceará. De acordo com o Governo do Estado, 37 policiais foram presos por deserção.

No sábado (22), a Polícia Militar informou que 77 policiais militares foram considerados “desertores” por faltarem a convocações da PM. O Governo do Estado informou que não iria divulgar a identidade dos presos ou local onde as prisões foram efetuadas.

Conforme a Polícia Militar, a deserção “consuma instantaneamente figura típica incriminadora”. Em caso de condenação, o crime de deserção pode resultar em pena de até três meses de detenção.

A Polícia Militar do Ceará solicitou ainda o corte do pagamento dos policiais desertores. O pedido será julgado pela Justiça Militar.

Batalhão para manter policiais detidos


Policiais do Ceará se reuniram com senadores para ouvir propostas do governo estadual. — Foto: Kid Junior/SVM

O Governo do Estado criou também um batalhão de custódia, onde ficarão os policiais detidos por aderirem ao motim da categoria. O batalhão será comandado pelo tenente-coronel Alexandre Rodrigues, atual do Batalhão de Choque, uma equipe especializada da Polícia Militar.

Em portaria da Polícia Militar, a criação do Batalhão de Custódia foi justificada devido a “paredistas deflagrados em território cearense” que praticam “as mais diversas infrações criminais e disciplinares militares”.

“Fica criado, de forma temporária, o Batalhão Provisório para Custódia de Crimes Militares, a fim de receber os policiais e bombeiros militares do Estado do Ceará submetidos à inquisas [perguntas feitas em inquérito] e condenações, todas relacionadas com as manifestações de paralisações das atividades.”

Policiais afastados

O Governo do Estado determinou ainda o afastamento de 168 policiais militares do cargo; 161 deles por “motim, insubordinação e abandono de posto” e outros sete por incitação ao crime. Conforme a Controladoria Geral de Disciplina, os policiais suspeitos de incitação ao crime postaram vídeos nas redes sociais convocando colegas de profissão para paralisação das atividades.

Resumo:

5 de dezembro: policiais e bombeiros militares organizaram um ato reivindicando melhoria salarial. Por lei, policiais militares são proibidos de fazer greve.
   

31 de janeiro: o governo anunciou um pacote de reajuste para soldados.
   

6 de fevereiro: data em que a proposta seria levada à Assembleia Legislativa do estado, policiais e bombeiros promoveram uma manifestação pedindo aumento superior ao sugerido.
   

13 de fevereiro: o governo elevou a proposta de reajuste e anunciou acordo com os agentes de segurança. Um grupo dissidente, no entanto, ficou insatisfeito com o pacote oferecido.
   

14 de fevereiro: o Ministério Público do Ceará (MPCE) recomendou ao comando da Polícia Militar do Ceará que impedisse agentes de promover manifestações.
   

17 de fevereiro: a Justiça manteve a decisão sobre possibilidade de prisão de policiais em caso de manifestações.
   

18 de fevereiro: três policiais foram presos em Fortaleza por cercar um veículo da PM e esvaziar os pneus. À noite, homens murcharam pneus de veículos de um batalhão na Região Metropolitana.
   

19 de fevereiro: batalhões da Polícia Militar do Ceará foram atacados. O senador Cid Gomes foi baleado em um protesto de policiais amotinados.
   

20 de fevereiro: policiais recusaram encerrar o motim após ouvirem as condições propostas pelo Governo do Ceará para chegar a um acordo.
   

21 de fevereiro: tropas do Exército começam a atuar nas ruas do Ceará.
   

22 fevereiro: Ceará soma 88 homicídios desde o início do motim. Antes do movimento dos policiais, a média era de seis assassinatos por dia.

Por G1 CE

Envie vídeos, fotos e sugestões de pauta para a redação do JFP (JORNAL FOLHA DO PROGRESSO) Telefones: WhatsApp (93) 98404 6835- (93) 98117 7649.

“Informação publicada é informação pública. Porém, para chegar até você, um grupo de pessoas trabalhou para isso. Seja ético. Copiou? Informe a fonte.”
Publicado por Jornal Folha do Progresso, Fone para contato 93 981177649 (Tim) WhatsApp:-93- 984046835 (Claro) -Site: WWW.folhadoprogresso.com.br   E-mail:Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. e/ou e-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Curtir isso:

CurtirCarregando...

Relacionado


Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree