-->

Paraná é o segundo estado brasileiro com melhor índice de segurança alimentar, diz IBGE

17 Setembro 2020

Pesquisa, divulgada nesta quinta-feira (17), revela que 77,5% das famílias do estado possuem garantias do que comer, enquanto quase 250 mil paranaenses passam fome. Paraná é o segundo estado
brasileiro com melhor índice de segurança alimentar O Paraná é o segundo estado com a melhor situação de segurança alimentar do Brasil, de acordo com dados divulgados, nesta quinta-feira (17), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os números apontam que 77,5% das famílias que vivem no estado possuem garantias do que comer. Por outro lado, há 22,5% das famílias em insegurança alimentar. Entre o percentual que não possui garantias de que terão alimentação, a pesquisa mostra que 2,2% chegam a passar fome, o que representa quase 250 mil paranaenses. Para a família da dona de casa Rosângela de Oliveira, de Curitiba, muitas vezes, a realidade convive com a incerteza sobre o que vão comer no dia seguinte. "Faz muito tempo que eu não sei o que é fazer uma compra. Aqui em casa, pelo menos, é arroz, feijão e ovo. Às vezes, quando dá para comprar ovo, né?!", conta Rosângela. No Brasil, de acordo com a pesquisa, em cinco anos, aumentou em cerca de 3 milhões o número de pessoas sem acesso regular à alimentação básica. São, pelo menos, cerca de 10,3 milhões o contingente nesta situação. De acordo com a pesquisa, o estado que obteve maior índice de segurança alimentar foi Santa Catarina, com 86,5%. Fome no Brasil: em 5 anos, cresce em 3 milhões o número de pessoas em situação de insegurança alimentar grave, diz IBGE A Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) considerou entrevistas feitas com as famílias entre junho de 2017 e junho de 2018. Pesquisa do IBGE apontou que 77,5% das famílias paranaenses possuem segurança alimentar Reprodução/RPC O IBGE classifica a insegurança alimentar em três níveis - leve, moderada e grave – da seguinte maneira: Insegurança alimentar leve: há preocupação ou incerteza quanto acesso aos alimentos no futuro, além de queda na qualidade adequada dos alimentos resultante de estratégias que visam não comprometer a quantidade de alimentação consumida. Insegurança alimentar moderada: há redução quantitativa no consumo de alimentos entre os adultos e/ou ruptura nos padrões de alimentação. Insegurança alimentar grave: há redução quantitativa de alimentos também entre as crianças, ou seja, ruptura nos padrões de alimentação resultante da falta de alimentos entre todos os moradores do domicílio. Nessa situação, a fome passa a ser uma experiência vivida no lar. Pesquisa do IBGE aponta que Paraná possui 22,5% das famílias em insegurança alimentar Reprodução/RPC A região sul, conforme a pesquisa, apresentou a melhor situação do país. Os números de 2017 e 2018 melhoraram em relação à 2004, mas pioraram, se comparados aos dados de 2009 e 2013. Em 2013, 14,9% das pessoas viviam em insegurança alimentar. De lá para cá, o aumento de pessoas que relataram dificuldades para colocar comida na mesa foi de quase 6%, e a segurança alimentar também diminuiu nos percentuais da região. Região sul do Brasil apresentou redução do percentual de segurança alimentar, segundo pesquisa do IBGE Reprodução/RPC Veja mais notícias do estado no G1 Paraná.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree