-->

Revolução digital: impactos na saúde dos trabalhadores

04 Junho 2019

Novas tecnologias nos processos fabris mudam o olhar sobre questões de segurança e saúde no trabalho Não é só a forma de produzir que está mudando com a revolução
digital. A inserção de novas tecnologias na indústria pode ser percebida no dia a dia de quem atua na área de segurança e saúde no trabalho. “Novas competências estão surgindo e isso impacta nos tipos de riscos a que os trabalhadores são submetidos”, aponta Rosangela Fricke, gerente executiva de Segurança e Saúde para a Indústria do Sistema Fiep. Lesões, fraturas e acidentes dividem espaço com problemas de saúde como o estresse e a depressão, que hoje ocupam o terceiro lugar no índice de afastamento, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). Mas o cenário pode mudar depressa. “O esforço braçal e repetitivo será substituído por máquinas, mas a nossa inteligência, atenção e poder de análise serão muito mais exigidos. O risco psicossocial é maior e muda o diagnóstico e o tratamento”, diz Rosangela. Primeiros impactos A Indústria 4.0 é vista com insegurança por muitos trabalhadores. A ideia de tornar-se obsoleto ou perder a vaga de emprego pode ser devastadora. Em 2019, 48% das indústrias planejam investir em processos inteligentes, segundo pesquisa da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Enquanto isso não acontece, os afastamentos se dividem entre o conhecido e o novo, como explica Juliana Cipriani Presiazniuk, coordenadora de Segurança e Saúde do Sesi no Paraná. “Os afastamentos por lesões repetitivas e de ergonomia não aumentaram devido ao tempo maior em frente a computadores. Por outro lado, vemos um crescimento nos casos de transtornos mentais em dados da OMS: em 2012, respondiam por 11% do total; em 2018, o índice subiu para 17%. A conectividade em tempo integral é uma das responsáveis. As pessoas descansam menos porque estão sempre conectadas, e a pressão por produzir mais e em menos tempo aumenta o nível de estresse”, diz a profissional. Olhar inovador para a saúde Se as máquinas vão substituir atividades operacionais, será preciso cuidar das pessoas que vão operá-las e atuar em novos processos. O capital humano continua sendo o ativo mais valioso para os negócios: “entender o propósito do trabalho e o quanto ele impacta na produtividade é um caminho para atingir maior eficiência”, diz Rosangela. É o que faz o Sistema Fiep, por meio do Centro de Inovação de Longevidade e Produtividade do Sesi. A área desenvolve estudos e consultorias personalizadas para a manutenção da capacidade laboral e preserva um olhar minucioso sobre a qualidade de vida, independentemente do cenário. Hoje a instituição já utiliza a tecnologia para otimizar seus programas de apoio à indústria, mapeando os postos de trabalho e adaptando-os às necessidades do indivíduo. Juliana Presiazniuk fala sobre os próximos passos: “por enquanto, esse mapeamento é utilizado para pessoas com deficiência, colaboradores afastados que retornaram para o trabalho e trabalhadores longevos. Em breve, será ampliado para o atendimento de competências, o que será necessário aos trabalhadores de cada setor, frente à modernização dos equipamentos e novas tecnologias”. A True Work, startup acelerada pelo Sistema Fiep, percebeu as novas demandas de mercado e já tem soluções rodando nas indústrias. Por meio de crachás e tags inteligentes que utilizam sistema IoT (internet of things ou internet das coisas, em português), é possível monitorar indicadores de desempenho para pausa laboral, trabalho em locais insalubres e gestão online de capacitação. “Percebemos que havia uma grande lacuna para a gestão do que ocorre após o colaborador passar pela catraca das empresas. A tecnologia se restringia ao controle de acesso. Construímos um sistema para monitoramento de pausas laborais, trabalho em locais insalubres e outros pontos relacionados à saúde dos trabalhadores”, conta Adriano Favaro, sócio-administrador da startup. Com um sistema digital simples de usar, a solução da True Work serve como ferramenta de gestão e tomada de decisão. “Nossa solução é escalonável, certificada pela ANATEL, robusta e de fácil utilização e já está implantada em empresas como Mondelez e Braskem”, comemora Favaro. Para ele, a dinâmica criativa da aceleração ajudou a identificar a oportunidade de aplicação do projeto para a área de Segurança e Saúde no Trabalho. “Com nossa plataforma inteligente contribuímos para melhorar a saúde e longevidade dos trabalhadores. Nos últimos meses, nossa força de trabalho mais que triplicou e estamos projetando um grande crescimento”, finaliza o sócio-administrador da True Work. Descubra o que o Sistema Fiep tem para a sua indústria. Clique e conheça nossos eixos de atuação. Sistema Fiep. Nosso i é de indústria.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree