-->

Especialistas dão dicas para facilitar adaptação ao home office e ser produtivo durante isolamento social

02 Abril 2020

Profissional, família e empresa precisam compreender mudanças. Para quem tem filhos, negociação com as crianças e divisão do tempo pode ser um caminho. Confira dicas para se adaptar ao
trabalho em home office A adaptação da rotina home office foi a alternativa de muitos trabalhadores para manter a produção em tempos de pandemia do novo coronavírus, que já tem 95 casos confirmados no estado. Para os especialistas, ter ciência dos direitos e deveres e aprender a dividir o tempo estão entre os primeiros passos para passar pela mudança da forma mais leve possível (veja vídeo acima). Veja o que é #FATO ou #FAKE sobre o coronavírus Coronavírus: confira perguntas e respostas Saiba como estão os serviços no estado O fato de estar em casa pode trazer a sensação de comodidade e descanso. O cenário, porém, é diferente. Segundo a psicóloga Laura Pedrosa, as obrigações do trabalho são as mesmas, apenas em um ambiente diferente. "As empresas e pessoas estão mudando, principalmente as que tinham uma jornada, indo e voltando para empresa. Agora precisamos levar o escritório para dentro de casa. Exige uma adaptação da família, da empresa, do trabalhador. São muitas mudanças ao mesmo tempo", disse a profissional. A mesma dificuldade sentida pelos funcionários é passada pelos gestores, lembrou Laura Pedrosa. Eles também têm metas a cumprir e passam pelo mesmo processo de adaptação. "O que vemos são mensagens e reuniões fora de hora, uma reorganização do trabalho e o dever que eles [os gestores] têm de cobrar. Muitas vezes, existe uma diferença tênue entre o direito de cobrar e a invasão de privacidade, envolvendo horários, metas, mensagens, vídeo conferências demoradas, sem pautas", explicou a psicóloga. Para esses casos, é necessária a preparação por parte da empresa. "O próprio gestor deve ser adaptado para cuidar desse novo modelo de gestão", disse Laura Pedrosa. Auto cuidado na adaptação Home office tem regras específicas e necessita de ajustes tanto por parte do profissional, quanto da família e empresa Divulgação Enquanto a empresa toma as medidas cabíveis, dentro de casa os profissionais devem procurar alternativas de maior aproximação entre o conforto e a obrigação, principalmente quem tem filhos. Segundo o especialista em inovação e produtividade Adriano Luiz Spanhol, tanto o profissional, quanto a família e a empresa precisam entender que a mudança. A casa agora passou a ser também local de trabalho. "O que a gente percebe é que as pessoas têm mais dificuldade em conseguir estipular horários definidos para a tarefa. Outra coisa é achar que precisa produzir de forma interrupta durante oito horas", explicou o profissional. Segundo André é interessante que, no casos dos pais, haja uma negociação com os filhos, um sistema de troca ao invés do bloqueio. "Se você vai trabalhar durante 30 minutos, vai brincar durante 10 minutos com a criança", disse. A partir desse cronograma, se estabelecem as oito horas necessárias para o trabalho. Ainda de acordo com o especialista, trabalhar "como manda o figurino" é a melhor solução para compreensão do cérebro. "O melhor cenário é se arrumar, acordar no mesmo horário, fazer a mesma rotina porque é o que o cérebro está acostumado. Você precisa colocar seu cérebro num ambiente de trabalho, inclusive para as crianças verem que você está dedicado a um momento profissional", disse. Ainda que alternar o trabalho entre os cômodos pareça ser interessante, o mais recomendado é ter o hábito de estar no mesmo local todos dias. "Isso às outras pessoas perceberem quando estou ocupado ou disponível. A única parte boa de flutuar em outros pontos da casa é espairecer um pouco, mas principalmente quem tem criança é importante estabelecer padrões de organização para que todos perceberam que existem regras e tudo está sendo cumprido, principalmente por você", explicou André. Estagiário e jovem aprendiz Superitendência do Trabalho orienta sobre direitos de estagiários e aprendizes na pandemia Todos os cuidados se estendem as categorias de estagiários e jovens aprendizes. Segundo Simone Brazil, coordenadora de aprendizagem da Superintendência do Trabalho em Pernambuco, os direitos e deveres entre ambos são muito parecidos (veja vídeo abaixo). "No caso dos jovens aprendizes, a recomendação é que sejam tratados como os trabalhadores profissionais, com antecipação das férias, trabalho remoto, suspensão de atividades práticas, mas mantendo a remuneração dos jovens", explicou. Segundo a coordenadora, contrariando as previsões legais, existem empresas que estão antecipando as demissões, o que não poderia ser feito. No caso dos estagiários, a orientação é similar, com algumas ressalvas. "Orientamos que procedam da mesma forma, mas não existe a garantia legal de manter o jovem na empresa, por não ser um contrato de trabalho", disse Simone. Segundo a coordenadora, é importante manter o estagiário na empresa por ser uma força de trabalho que está sendo qualificada. "É importante para o estudante e importante para empresa", afirmou. Coronavírus em Pernambuco Sobe para oito mortes e 95 os casos confirmados do novo coronavírus em Pernambuco Pernambuco confirmou, na quarta-feira (1º), duas novas mortes de pacientes com o novo coronavírus, de acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES). Ao todo, no estado, há oito óbitos. Também houve oito novas confirmações para a Covid-19, doença causada pelo novo vírus, totalizando 95 casos confirmados (veja vídeo acima). As duas novas mortes por Covid-19 são de homens. Um deles tinha 64 anos e morava no Recife e o outro, morador de Olinda, tinha 81 anos. Dicas de prevenção contra o coronavírus Arte/G1 Initial plugin text
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree