-->

Covid-19: Piauí é referência nacional ao usar programa para monitorar a doença

09 Agosto 2020

O Brasil atingiu os 100 mil mortes por Covid-19 na noite deste

sábado (08) e mais de 3 milhões de casos confirmados. Segundo a Universidade Johns Hopkins, o País está em segundo lugar no ranking mundial com mais casos, atrás apenas dos Estados Unidos, como mais de cinco milhões de casos, e que já contabiliza mais de 162 mil mortes pela doença.

Enquanto os casos confirmados e mortes por coronavírus avançam no País, o Piauí tem se destacado nacionalmente como um dos Estados com menores índices de óbitos e casos confirmados. Enquanto em outros estados a reabertura econômicas e de demais atividades já acontece há algumas semanas, no Piauí, esse retorno tem sido lento e gradativo, o que tem ajudado a reduzir a disseminação do vírus no território piauiense.

Leia também:Covid no Piauí: apenas dois municípios não têm casos da doença

Além disso, as ações adotadas pelos poderes municipal e estadual, como medidas restritivas mais intensas de isolamento social e lockdown, também tem colaborado para o Piauí apresentar bons resultados. Até o dia 08 de agosto, entre os estados brasileiros, o Piauí estava em 20º lugar tanto em número de casos confirmados (59.571) como de óbitos (1.469) por Covid-19, um dos menores da federação. Nos últimos 14 dias, foram confirmados 14.182 casos e 241 óbitos.

Miguel Nicolelis, neurocientista e coordenador voluntário do Comitê Científico de Combate ao Coronavírus do Consórcio Nordeste, citou o Piauí como referência nacional e destacou que o programa “Monitora Covid-19”, adotado no Estado, faz o monitoramento da população com suspeita de contaminação por meio de um aplicativo tem apresentado esse bom resultado, em relação aos demais.

“Precisamos ir de encontro ao vírus como foi feito no Piauí. Você tem de ir à casa das pessoas, ninguém quebra uma pandemia nos hospitais. Você quebra a taxa de transmissão onde a transmissão ocorre: dentro das casas, no trabalho, nas comunidades. É preciso criar brigadas que façam esse acompanhamento e isolar os possíveis casos. Não à toa, a grande ausente do combate foi a Saúde da Família. Temos de mandar equipes a campo, atacar o vírus onde ele nos ataca”, disse.

Além do aplicativo Monitora Covid-19, o Piauí também adotou o programa Busca Ativa, que consiste em localizar os contatos positivos de coronavírus assintomáticos, ou seja, aquelas pessoas que tiveram contato com alguém que teve Covid-19 e que, provavelmente, estejam positivas. Para isso, o programa conta com o apoio da rede de Estratégia Saúde da Família. O programa está presente em mais de 200 municípios, de um total de 224 cidades piauienses.

Monitora Covid-19

O Monitora Covid-19 é uma plataforma que possibilita o atendimento e contato direto da população piauiense com profissionais da saúde. O aplicativo conta com 69 profissionais da saúde, que passaram por treinamento e estão à disposição para realizar o atendimento on-line, direto de uma sala de controle que funciona no Hospital Getúlio Vargas.

O sistema classifica os pacientes nas seguintes categorias:

Cinza: baixam o aplicativo, mas não finalizam o cadastro;

Verde (risco 1): sem sintomas;

Amarelo (risco 2) : sintomas como febre e tosse, sem falta de ar e sem comorbidade;

Laranja (risco 3): sintomas como febre e tosse, sem falta de ar e com comorbidade;

Vermelho (risco 4) : sintomas e falta de ar.

O Monitora Covid-19foi desenvolvido por instituições privadas, em parceria com o Consórcio Nordeste; a Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Bahia (Secti); a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (Sesab) e a Fundação Estatal Saúde da Família (Fesf-SUS/FESF-tech). O aplicativo está disponível para Android e também para sistemas IOS, necessitando de uma internet de baixa conexão para a utilização. Baixe clicando aqui.

Para utilizar o aplicativo, o usuário deve se cadastrar, colocar todos os seus dados, informar a localização, bem como os sintomas que está sentindo e poderá ter uma interação de vídeo com o médico. Dependendo da complexidade do caso, o médico vai entrar em contato com esse paciente para tirar dúvidas e verificar se os sintomas são de Covid-19, H1N1 ou outra doença. O sistema é simples de usar, é intuitivo, e permitirá esse contato mais próximo dos profissionais de saúde com a população piauienses.

"Um dos estados mais pobres fez tudo o que podia fazer. Foram de encontro ao vírus e você vê os resultados: menor número de óbito do Nordeste, seis vezes menos que o vizinho Ceará", avalia o neurocientista Miguel Nicolelis.

Compartilhar no
Por: Isabela Lopes

É permitida a reprodução deste conteúdo (matéria) desde que um link seja apontado para a fonte!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree