-->

Escolas Chinês e Congos desfilam no carnaval de São João da Barra, no RJ

24 Fevereiro 2020

Agremiações tradicionais encantaram os presentes no desfile de domingo (23). Primeira escola a entrar na avenida foi a G.R.E.S. Chinês Divulgação/Prefeitura de São João da Barra As tradicionais escolas
de samba de São João da Barra (RJ), Chinês e Congos, desfilaram na noite deste domingo (23). A primeira escola a entrar na avenida foi a G.R.E.S. Chinês. A torcida apaixonada pela escola cantou o samba-enredo puxado pelo interprete Dito de Quinzote, que falou da fé e devoção na cidade, e a escolha acertada do tema garantiu um desfile arrebatador na avenida. O diretor José Jorge de Melo, que integra a escola há 40 anos, falou da emoção do desfile. “Foi lindo mais uma vez estar com o Chinês na avenida falando da fé de nossa cidade. Tenho muito orgulho da minha escola e de tudo que fizemos neste carnaval”, contou o dirigente. Com 400 componentes, seis alas, dois tripés, três carros alegóricos, a bateria “Sensação”, com 75 ritmistas, passistas, destaques de carro, mestre-sala e porta-bandeira, rainha da escola e madrinha de bateria, o Chinês deu seu recado e consagrou mais uma vez sua participação no carnaval sanjoanense ao longo de 87 anos de fundação. "Fizemos um desfile emocionante, com criatividade, inovando mais uma vez com três paradinhas e um paradão", contou o 2º mestre de bateria, Thalles Malhardes. Um dos destaques na bateria foi a madrinha Thaís Malhardes, que interagiu com os ritmistas. O carro abre-alas representou a chegada de Lourenço do Espírito Santo, que fundou o povoado de Atafona, e emocionou o público com sua evolução. Também foram retratadas a linha férrea da Leopoldina Railway, a construção do templo de Nossa Senhora da Penha, a cultura pesqueira, a destruição ocasionada pelo avanço do mar, a devoção e fé e as águas douradas representadas pelo mar e pelo Rio Paraíba do Sul. Congos desfilou com o enredo “Ô Abre Alas que o Congos Vai Passar” Divulgação/Prefeitura de São João da Barra A Congos desfilou em seguida com o enredo “Ô Abre Alas que o Congos Vai Passar”, relembrando o surgimento das marchinhas de carnaval e o sucesso das composições ao longo dos anos. O samba-enredo, composto por Diego Nicolau e interpretado por Felipe Penha, Felipe Leão, Sued Senna e Jadson Loureiro, estava na ponta da língua dos foliões, que acompanharam em coro todo o desfile luxuoso e colorido da escola. Em mais um ano de carnaval, nesses 88 anos de fundação, a escola trouxe para o público um espetáculo cheio de lembranças dos velhos carnavais, que ganharam vida nas alegorias e destaques da escola. Para o presidente Ian Machado, o desfile foi de alegria e garra como é a tradição da escola. “Fizemos um desfile de fácil leitura, mais rico em detalhes, característica da escola que entrou com a garra que só o Congos tem”, disse. Quem também estava comemorando a apresentação foi a destaque Marinês Azevedo, que completou 50 anos de carnaval. “Amo a arte e brincar o carnaval, meu coração é sanjoanense e é uma emoção ainda maior comemorar 50 anos de carnaval nesta escola que me recebeu com todo amor”, contou Marinês, que veio no carro representando o Abre Alas, marchinha da compositora Chiquinha Gonzaga. A escola de samba Congos desfilou com três carros alegóricos, 70 ritmistas, seis alas, três tripés, passistas, destaques de carro, mestre-sala e porta-bandeira, rainha da escola e rainha da bateria. À frente da bateria, o mestre Robertinho Martins inovou na evolução com uma paradinha diferente. A rainha Lorrayne Rangel abria caminho no meio da bateria, empolgando os torcedores da escola. Veja outras notícias da região no G1 Norte Fluminense.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree