-->

RN registra primeira morte por Covid-19 na população indígena; doença tem casos confirmados em duas aldeias do estado

14 Mai 2020

Levantamento foi feito pela Articulação de Povos Indígenas do Nordeste e pela Articulação dos Povos Indígenas do RN, entidades que acompanham as comunidades do estado. Aldeia Catu Reprodução A
Covid-19 chegou à população indígena do Rio Grande do Norte. De acordo com a Articulação dos Povos Indígenas do RN (Apirn), já são pelo menos quatro casos confirmados da doença, dez suspeitos e uma morte de um indígena não-aldeado provocada pelo novo coronavírus, até a manhã desta quinta-feira (14). A primeira morte de um indígena no estado por coronavírus foi registrada na noite de quarta-feira (13). Trata-se de um índio urbano da etnia Potiguara, que morava em Natal. Ele fazia parte de uma das 46 famílias indígenas urbanas e não-aldeadas que vivem na Zona Norte da capital. As informações foram confirmadas por Apirn, Articulação de Povos Indígenas do Nordeste (Apoinme) e também pelos familiares da vítima. MEMORIAL: os brasileiros que perderam a vida na pandemia do coronavírus MAPA DO CORONAVÍRUS: as cidades com infectados e o avanço dos casos Acompanhe as notícias sobre coronavírus no RN em tempo real Veja mudanças no funcionamento de órgãos públicos e outros serviços no RN Aldeia Catu fica entre Canguaretama e Goianinha Reprodução Ao todo, o Rio Grande do Norte tem 14 aldeias espalhadas em nove municípios com 6 mil pessoas das etnias Potiguara, Tapuia Paiacu e Tapuia. Outros 2 mil índios vivem em centros urbanos (não-aldeados), totalizando assim cerca de 8 mil indígenas no estado inteiro. O mapeamento foi feito pela Articulação dos Povos Indígenas do RN e pela Articulação de Povos Indígenas do Nordeste junto aos líderes das aldeias. A aldeia Catu, que fica entre as cidades de Goianinha e Canguaretama, na Região Metropolitana de Natal, concentra duas confirmações e 10 suspeitas da doença. Os dois indígenas que testaram positivo para a Covid-19 estão cumprindo quarentena domiciliar. Um precisou de atendimento médico na capital. "É uma situação que nos preocupa bastante porque temos muita subnotificação. As aldeias são lugares fechados onde o risco de proliferação dessa doença é altíssimo. Temos 10 casos suspeitos e é provável que teremos mais porque o controle é difícil e o acesso aos testes é muito complicado. Além disso não temos demarcação de terra. Precisamos testar a população para impedir um contágio em massa", detalha Luiz Katu, cacique da aldeia Catu. Cacique Luiz Katu Reprodução O outro caso confirmado da Covid-19 está na aldeia de Sagi, localizada na cidade de Baía Formosa. O paciente cumpriu o período de isolamento social e já é considerado recuperado. A chegada da pandemia nas comunidades indígenas acende o sinal de alerta entre as lideranças locais, que pedem apoio do poder público. "Estamos reunindo essas informações e pediremos ajuda junto aos governos municipais, estadual e federal. Existem comunidades que não têm acesso a um posto de saúde porque são muito afastadas, nesses casos uma equipe médica vai lá uma ou duas vezes no mês e aí se passa muita necessidade", afirma José Carlos, indígena da etnia Potiguara e representante da Apoinme no estado. Ainda segundo José Carlos, que também preside o Conselho Municipal de Saúde de João Câmara, a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai), subordinada ao Ministério da Saúde, deixou de atender as comunidades indígenas do Rio Grande do Norte desde janeiro de 2019. "A gente tinha esse atendimento desde 2015, que era feito pelo distrito da Paraíba, mas eles nos disseram que tiveram que parar por falta de recursos", conta José Carlos. O G1 consultou a assessoria de imprensa da Sesai sobre a suspensão nos atendimentos médicos às aldeias potiguares, mas até o fechamento desta reportagem não obteve retorno. Prevenção Barreira para orientação das pessoas que cruzam a aldeia Catu Cedida Embora, tradicionalmente, os índios dominem técnicas de isolamento, os cuidados precisam ser redobrados nas aldeias, segundo o cacique Luiz Katu. "Temos muitos idosos e isso já é uma preocupação a mais porque as comunidades são fechadas e as pessoas são muito próximas umas das outras. Antigamente o índio podia se isolar e aguardar o filtro natural da natureza para essas doenças, mas hoje não podemos fazer isso porque não temos floresta", acrescenta. Na aldeia Catu, que concentra doze notificações entre suspeitos e confirmados, a população montou uma barreira por conta própria para controlar o fluxo de pessoas que utilizam as estradas da região para acessar outras comunidades. Eles param os veículos, orientam sobre os riscos, fazem desinfecção com álcool em gel e também oferecem máscaras. A mobilização tem viés educativo. Francisca Bezerra da aldeia Tapará Reprodução Na comunidade Tapará, também há preocupação em relação à chegada do coronavírus. A aldeia fica em Macaíba, cidade da Grande Natal que já contabiliza três mortes e 31 pessoas infectadas. "Também estamos organizando o fluxo das pessoas porque o medo é grande. A gente está se cuidando, usando máscaras e álcool em gel para evitar o contágio porque sabemos que seria muito difícil controlar", diz a líder indígena Francisca Bezerra. Comunidades indígenas no RN Apirn/Reprodução Sobre as reivindicações dos líderes que cobram melhora na assistência social e médica dentro das comunidades, a reportagem do G1 entrou em contato com o Governo do Rio Grande do Norte e aguarda resposta. Entenda algumas das expressões mais usadas na pandemia do covid-19 Initial plugin text
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree