-->

Associações de comerciantes e sindicato médico recorrem contra pedido de 'lockdown' no Rio Grande do Norte

14 Mai 2020

Solicitação feito pelo Sindicato dos Trabalhadores em Saúde (Sindsaúde) aguarda decisão da Justiça, que deu prazo de 48 horas para estado e prefeitura de Natal se posicionarem. Bairro Alecrim
na manhã do último sábado (9) em Natal. Associação de comerciantes se posiciona contra lockdown. Reprodução/Inter TV Cabugi O Sindicato dos Médicos do Rio Grande do Norte (Sinmed) e associações que representam comerciantes de Natal recorreram à Justiça para contestar o pedido de "lockdown" feito pelo Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado (Sindsaúde) nesta quarta-feira (13). O pedido aponta que o estado tem um dos piores índices de isolamento social na região Nordeste. A Justiça deu prazo de 48 horas para o governo estadual e a prefeitura de Natal se manifestarem sobre o tema. Na solicitação, o sindicato dos servidores pediu que governo e município decretem o "lockdown" por, pelo menos, 15 dias, para conter a proliferação do novo coronavírus no estado. Entenda o que é lockdown Para a associação dos empresários do Alecrim - o maior bairro comercial da capital potiguar - a situação da Covid-19 está "sob controle" e "a adoção do lockdown vai contribuir ainda mais para o empobrecimento das empresas e aumentar o desemprego". "A AEBA foi a primeira instituição que recomendou o funcionamento das empresas com horário reduzido e vem fazendo um trabalho contínuo para a prevenção e conscientização, como a contratação de carro de som para divulgação de orientações junto à população, distribuição de máscaras e orientação aos empresários sobre o cumprimento dos decretos do Governo e Município", afirmou na nota. Também recorreram a Federação das Câmara de Dirigentes Lojistas do RN (FCDL RN), a Câmara de Dirigente Lojistas de Natal (CDL Natal), CDL Jovem Natal, Federação das Associações Comerciais (Facern) e Associação Comercial Empresarial do Rio Grande do Norte – (ACRN). MAPA DO CORONAVÍRUS: as cidades com infectados e o avanço dos casos Acompanhe as notícias sobre coronavírus no RN em tempo real Veja mudanças no funcionamento de órgãos públicos e outros serviços no RN Em nota, o Sindicato dos Médicos também afirmou que é contrário ao pedido e favorável ao tratamento precoce dos pacientes com hidroxicloroquina, como forma de evitar agravamento e busca de leitos de UTI - o medicamento, que ainda não teve a eficácia comprovada cientificamente, vem sendo usado em casos de pacientes graves no país. "Medidas como lockdown só servem para encobrir a incapacidade gerencial da administração pública em abrir leitos ou UTIs que vinham sendo ostensivamente fechados e contribuíram para o estado atual que sugere o sistema como lotado", afirma a nota assinada pelo presidente da entidade, Geraldo Ferreira. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde, na manhã desta quinta-feira (14), a região metropolitana de Natal registrava ocupação de 88% nos leitos gerais de UTI montados para atendimento de pacientes com Covid-19. E em Mossoró, no Oeste potiguar, o percentual chegava a 93%. Ambas as cidades são as que têm maior número de casos confirmados e óbitos no estado. Nesta quarta-feira (13), o estado ultrapassou a marca de 100 óbitos por Covid-19. Pedido O 'lockdown' é a maior restrição possível na atuação contra a Covid-19. Esse tipo de recurso já foi adotado em regiões da Itália, onde ainda vigora, Espanha e China, entre outros países. Trata-se de um bloqueio total da operação quaisquer de atividades, com exceção das essenciais. O sindicato dos trabalhadores em saúde também solicitou no documento uma multa de R$ 100 mil por dia caso o governo e a prefeitura descumpram a decisão. Os pedidos serão julgados pela 5ª Vara da Fazenda Pública de Natal. No documento, os advogados do Sindsaúde apresentam argumentos para justificar a medida e questionam a flexibilização do isolamento social com a reabertura das indústrias e parte de atividades comerciais. "O Estado do Rio Grande do Norte tem o pior índice de cumprimento do isolamento social entre os estados do Nordeste. No Brasil, o estado potiguar ocupa a 5ª posição entre os que menos têm adotado as medidas do afastamento, que são utilizadas para reduzir o avanço da pandemia do novo coronavírus", critica o sindicato na ação. Prefeitura de Itaú fechou cidade Um decreto determinou o bloqueio total no município de Itaú, no Oeste potiguar, com restrição do trânsito e circulação de pessoas. A medida foi adotada pela prefeitura como forma de conter o avanço do novo coronavírus na cidade e vale a partir desta terça-feira (12). No sábado passado, dia 9, 11 pessoas testaram positivo para a doença. O lockdown, conforme definiu o prefeito Ciro Bezerra (DEM), segue inicialmente até o dia 31 de maio. Este é o primeiro caso no Rio Grande do Norte. Initial plugin text
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree