-->

Suspeito de matar ex-mulher após audiência sobre divórcio é preso em Caxias do Sul

19 Novembro 2019

Homem se apresentou à Polícia Civil, admitiu o crime e foi preso preventivamente nesta terça-feira (19). Ele é suspeito de matar a ex-mulher, Ereni dos Santos, 42 anos, na
semana passada. Ereni foi morta a tiros em Caxias do Sul; ex-marido é o principal suspeito Reprodução A Polícia Civil prendeu preventivamente, na tarde desta terça-feira (19), o ex-marido de Ereni dos Santos, 42 anos, morta a tiros após audiência sobre divórcio na semana passada, em Caxias do Sul, na Serra gaúcha. Segundo a delegada Carla Zanetti, da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM), ele se apresentou à delegacia com o advogado, prestou depoimento e admitiu o crime. O G1 entrou em contato com o advogado do suspeito e aguarda o seu posicionamento oficial. Ele deve responder por feminicídio consumado. O homem de 62 anos alegou estar transtornado desde a separação do casal. No dia do crime, ele se encontrou com a esposa às 9h, em uma audiência de conciliação na Vara de Família para tratar sobre a divisão de bens do divórcio. Horas depois, disse que a viu enquanto se deslocava de carro. "Ele disse que estava fora de si", resumiu a delegada. A polícia apreendeu um revólver de calibre 38 em nome do suspeito. Aguarda, agora, o resultado do laudo de balística do Instituto Geral de Perícias (IGP) para confirmar se os cinco tiros foram disparados desta arma. A delegada Carla espera concluir o inquérito em, no máximo, 10 dias e encaminhá-lo para o sistema judiciário. O suspeito permanecerá preso preventivamente durante a investigação. Relembre o caso Ereni foi baleada dentro do próprio carro no dia 11 de novembro. Ela tinha uma medida protetiva contra o ex-marido desde abril de 2018, prorrogado em setembro deste ano. O juiz Emerson Jardim Kaminski, da Vara da Violência Doméstica, informou à reportagem que “ela tinha passado por avaliação de risco diretamente com a nossa equipe multidisciplinar, afirmando que não temia o ex-marido, mas queria a prorrogação das medidas para garantia apenas, já que ele estava bem tranquilo e respeitando-a". "Em 12 de setembro foi o último atendimento dela, que disse não querer a responsabilidade criminal do agressor porque não estava mais sendo ameaçada, optando por manter as medidas protetivas por mais seis meses, só por segurança”, acrescenta. O casal esteve casado por 20 anos e tinha dois filhos, de 14 e de quatro anos, mas estava em processo de separação há cerca de um ano e meio. Ereni era secretária de uma escola municipal de Caxias do Sul.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree