-->

MP acusa por improbidade secretário de RR que usou presos para fazer obra em casa

18 Novembro 2019

André Fernandes Ferreira foi denunciado à Justiça após ser flagrado levando presos do regime fechado para instalar cerca em residência sem aval da justiça. Secretário de justiça André
Fernandes Ferreira foi denunciado à Justiça Reprodução/Rede Amazônica Roraima O secretário de Justiça e Cidadania de Roraima, André Fernandes Ferreira, foi acusado pelo Ministério Público de improbidade administrativa por ter usado presos do regime fechado para fazer serviços particulares na casa dele sem autorização judicial. De acordo com a ação, protocolada na Justiça pelo promotor Luiz Antônio Araújo, da Promotoria de Defesa do Patrimônio Público, na quinta-feira (14), o secretário se valeu da função que ocupa para usar a mão de obra de internos da Cadeia Pública Masculina de Boa Vista para serviço particular, "violando com isso a um só tempo a lei de execução penal e os princípios da administração pública". O G1 tentou contato por telefone com o secretário nesta segunda-feira (18), mas as ligações e nem as mensagens foram respondidas. O governo do estado também foi procurado, mas ainda não se manifestou. Consta nas investigações do MP, que nos dias 25 e 27 de setembro deste ano, o secretário foi à Cadeia Pública em um carro da Secretaria de Justiça e retirou, sem algemas ou escolta, dois presos para instalarem um cercado de madeira na residência dele. A ação foi filmada por servidores e os vídeos enviadas ao órgão para investigação. Fernandes é agente federal e veio a Roraima após a intervenção no sistema prisional do estado, no fim do ano passado. Por isso, a situação também é investigada em uma sindicância do Ministério da Justiça. Presos fazem serviços particulares em casa de secretário, em Roraima Ainda segundo a apuração do MP, a direção da unidade não foi avisada sobre a saída dos detentos nos dois dias de trabalho, que eles não receberam pelo serviço e nem poderão usá-lo para remição de pena, porque tudo ocorreu sem aval da Justiça. Os presos Ederson de Sousa Nobre e Reginaldo Carvalho Silva, ambos do regime fechado, são acusados de estupro e tráfico de drogas. Eles participam de um projeto em que produzem móveis artesanais. "Ora, o réu agiu na contramão do que se espera de um agente público, ainda mais em se tratando de Agente Penitenciário Federal deslocado ao Estado de Roraima em razão da intervenção federal no sistema prisional com a finalidade de implementar eficiência e moralidade na gestão penitenciária, de modo que a prática de ato ímprobo por parte de quem deveria zelar pela retidão profissional no trato com a coisa pública revela uma quebra de confiança ensejadora de grande frustração e decepção na sociedade roraimense", alegou o MP em trecho da denúncia. Sobre o caso, a Secretaria de Justiça e Cidadania já afirmou que o trabalho feito pelos presos faz parte da rotina da cadeia e que Fernandes pagou R$ 750 pelo serviço dos detentos. O governador Antonio Denarium, por sua vez, também já disse que iria "levantar toda a situação" para que as responsabilidades fossem apuradas.

Em breve novidade aqui!!!

Usuário(s) Online

Temos 143 visitantes e Nenhum membro online
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree