-->

Mancha no mar da Baía Norte em Florianópolis não era esgoto, dizem prefeitura e Casan

13 Dezembro 2019

Autoridades garantiram que contraste de cores em mancha na Beira-mar Norte e na continental ocorreu por diferença de densidade da água do mar e pluvial. Nesta sexta, mancha havia
desaparecido. Após chuva, mancha aparece no mar da Baía Norte, em Florianópolis A Prefeitura de Florianópolis e a Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) garantiram que a mancha que pôde ser vista na Beira-mar Norte e na Beira-mar Continental na tarde de quinta-feira (13) não era decorrente de esgoto. Ainda conforme a Casan, o contraste das cores observado por moradores ocorreu pela diferença da densidade da água do mar e da água pluvial. Na manhã desta sexta-feira (13) a mancha já havia se dissipado. “O que ocorreu foi um excesso de chuva em um curto espaço de tempo e com muita correnteza, superficial ao longo das vias como também na rede de drenagem e carreou toda essa sujeira da tubulação e da pista para o mar. Por isso a cor escura, mas era água de chuva, não teve nenhum problema de esgotamento sanitário", explicou Fabio Ritzmann, superintendente de Saneamento e Habitação de Florianópolis. "A diferença de cor entre o mar e a mancha é porque o mar estava revolto, estava mais amarelada e mais próxima da costa então houve um contraste maior”, completa o secretário. Segundo a Casan, além da agitação do mar, que levanta sedimentos e deixa a água em tom mais amarelado, a grande quantidade de água doce das galerias que chegou ao mar tem densidade menor que a água salgada, o que acentuou a diferença de cor. A chuva forte lavou as galerias de drenagem que escoam água da chuva na região central e também no Bairro Estreito, no Continente. Como fazia cerca de duas semanas que não chovia forte, havia muita sujeira acumulada, ainda conforme a Casan. Questionado pelo G1 sobre a possibilidade de haver ligações clandestinas na rede pluvial que desembocou na Beira-mar com a forte chuva de quinta, o secretário informou que a prefeitura costuma realizar fiscalizações da região. "A fiscalização é um procedimento contínuo. Eventualmente trabalhamos por demanda, mas não foi o caso. A ideia de que aquela mancha era esgoto não tem fundamento, pelo simples ou grande volume, de água", disse o secretário. Orientação As autoridades que trabalham com saneamento orientam que sempre que chover forte seja evitado tomar banho de mar e em rios por pelo menos 24 horas, pois a sujeira concentrada nas ruas acaba chegando nesses locais. Mancha no mar da Baía Norte, em Florianópolis, na quinta-feira (12) Reprodução/CBN Veja outras notícias do estado no G1 SC
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree