-->

O que fazer com dólares ou outras moedas estrangeiras que sobram de uma viagem?

17 Fevereiro 2020

Vender, guardar, aproveitar promoções no free shop... são muitas as opções para utilizar o dinheiro que sobrou na viagem. Entenda qual a melhor para cada caso Quando se faz
uma viagem internacional, principalmente a passeio, é comum levar mais dinheiro do que o calculado como necessário para cada dia, e isso é importante para diminuir o risco de ficar sem dinheiro no meio da viagem ou de não poder aproveitar algum passeio ou fazer alguma compra desejada porque acabou o dinheiro em espécie. E o que fazer com os dólares, euros ou outras moedas estrangeiras que sobraram de uma viagem gera dúvidas bastante comuns, como: Guardar como investimento ou para utilizar em uma próxima viagem? Vender para amigos que estão com viagem marcada? Trocar por real ainda no aeroporto? Saiba o que você pode fazer com o dinheiro estrangeiro excedente e veja qual a melhor opção para a sua próxima viagem. Confira as dicas dos especialistas da Turcambio. Aproveitar as promoções do free shop Aeroportos internacionais costumam ter free shops e outras lojas com inúmeros produtos com bons preços – devido à isenção ou redução dos impostos. E usar o dinheiro que sobrou para levar perfumes, aparelhos eletrônicos, bebidas e doces pode ser uma boa saída quando o valor do excedente for baixo e não comprometer o orçamento. Turcambio Unsplash Guarde em casa Você pode escolher guardar em casa a moeda estrangeira que sobrou de uma viagem, porém, além do risco de furto ou roubo, é chance de ter prejuízo em caso de desvalorização da moeda. Por isso, especialistas da Turcambio indicam que não se deve guardar dinheiro de outros países em casa, exceto se você faz viagens recorrentes ao exterior ou utilizará esse valor dentro de pouco tempo (até um ou dois anos). Embora não haja restrição legal quanto a guardar moeda estrangeira em casa, é importante lembrar que o valor deve ser declarado anualmente no Imposto de Renda, seção “Bens e Direitos”. Outra orientação é cuidar com o local que será guardado, para evitar mofo, roedores e traças. Turcambio Unsplash Comprar crédito de cartão pré-pago internacional Usar o que sobrou do dinheiro em uma viagem para pôr crédito em um cartão pré-pago é uma maneira de manter o dinheiro valorizado, sem se preocupar com a desatualização das cédulas. No entanto, é preciso atentar à cobrança de taxa de inatividade. Um dos cartões mais comercializados no Brasil, o Visa Travel Money (VTM), cobra taxa de inatividade (três dólares ao mês), após seis meses sem movimentação, se houver menos de 100 dólares no cartão. A segurança é um dos benefícios de guardar dólares ou euros como crédito de cartões pré-pagos, pois eles só funcionam com uso de senha, podem ser bloqueados em caso de furto ou extravio e, caso sejam desativado pela falta de uso, é possível resgatar integralmente seu saldo. Outra vantagem dessa modalidade é que, além de pagar compras à vista, é possível sacar dinheiro em espécie em caixas eletrônicos de mais de 200 países, e a conversão para a moeda do país (libra, euro, dólar americano, dólar canadense e dólar australiano) é feita automaticamente. Assim, mesmo que seu saldo seja em dólares, por exemplo, você vai poder utilizar o cartão em países da zona do euro. Turcambio Unsplash Realizar uma remessa para conta estrangeira Caso você tenha uma conta no exterior ou queira enviar uma remessa internacional para algum parente ou amigo, é possível utilizar a transferência do dinheiro que sobrou da viagem com a cotação do dia. Pelo sistema MoneyGram, é possível fazer transferências em dinheiro em poucos minutos para mais de 200 países. Entretanto, a moeda estrangeira deverá ser convertida para reais antes do envio. Para realizar remessa internacional com segurança, utilize os serviços uma corretora de câmbio certificada pelo Banco Central. Vender o que sobrou para uma corretora de câmbio Se você não tem pretensão de viajar para o exterior em pouco tempo nem tem conta fora do país, negociar o que restou de moeda estrangeira com uma corretora de câmbio é uma boa opção. Mas não faça essa transação em corretoras dentro de aeroportos (pois as taxas costumam ser mais altas) e acompanhe a variação de cotação ao longo de alguns dias para escolher o melhor momento. Turcambio Unsplash Não volte com moedinhas metálicas nem moedas exóticas Moedinhas (equivalentes aos centavos brasileiros) e moedas exóticas não são facilmente comercializadas no Brasil – algumas nem são vendidas aqui – ou seja, o risco de ficar com o dinheiro “encalhado” é bastante grande. Por isso, recomenda-se a troca de moedas exóticas por dólares ainda durante a viagem. Quanto às moedinhas metálicas, use-as para comprar lembrancinhas para os amigos ou guarde algumas como recordação. Especialistas da Turcambio alertam para o problema de se guardar moedas de países com economia fraca, pois, devido à instabilidade econômica, há grande risco de perder dinheiro com a variação cambial. Essa dica é importante, principalmente, para quem retorna de viagens a países da América do Sul. O ideal é trocar a moeda do país visitado assim que retornar ao Brasil. Já moedas de países cuja economia é forte, como o euro, a libra e o dólar, o risco de prejuízo é menor, mas mesmo assim é preciso considerar outras opções além de guardar dinheiro em espécie dentro de casa. Acompanhe as dicas dos especialistas da Turcambio acompanhando o canal da empresa aqui no G1.

Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree