-->

Como economizar comprando moeda estrangeira

17 Fevereiro 2020

Existe uma data ideal para comprar dólar, euro ou outra moeda estrangeira? Veja dicas da Turcambio para não perder dinheiro As constantes altas no valor do dólar em
relação ao real e as instabilidades financeiras têm causado dúvidas em quem precisa comprar dólares ou outra moeda estrangeira para uma viagem ou compra pontual. Quem não está acostumado a investir em moeda estrangeira pode encontrar dificuldades em acompanhar as movimentações do mercado e saber qual a hora certa para aproveitar a melhor cotação e não perder dinheiro. Quem precisa comprar moedas em razão de viagem e tem um prazo maior precisa acompanhar a cotação diariamente e dividir a compra em partes. Ou seja, ao verificar que a moeda estrangeira atingiu um valor mais baixo em relação aos últimos três ou cinco dias, por exemplo, troca-se determinado valor, repetindo a operação ao longo das semanas ou meses até a data da viagem. Desse modo, a compra total será feita pela média cambial do período. No entanto, se a viagem está marcada para breve, é recomendado trocar metade do dinheiro agora e a outra metade na véspera do embarque. Ferramentas ajudam a acompanhar a cotação e escolher o melhor preço Quem não está acostumado com o vai e vem do câmbio pode encontrar dificuldades na hora de comprar moeda estrangeira. Para facilitar a tarefa, há algumas ferramentas on-line e até aplicativos simples para smartphones que permitem comparar preços, realizar a compra na hora para aproveitar a menor cotação e até receber o dinheiro em casa. Turcambio Unsplash Uma dessas ferramentas foi desenvolvida pelo Banco Central, órgão responsável pelo registro e pela fiscalização das operadoras de câmbio do Brasil. Com o aplicativo Câmbio Legal (disponível para Android e iOS), é possível buscar casas de câmbio da região e se informar sobre as taxas praticadas. Além disso, é possível verificar se determinada empresa está autorizada a realizar operações de câmbio. Embora não represente o valor praticado no exato momento da busca, o aplicativo traz, ainda, um ranking de instituições - calculado com base na média do Valor Efetivo Total (VET) da transação das operações feitas no mês anterior - para isso, considera taxa de câmbio, tarifas e impostos incidentes (como o IOF). Cuidados que se deve ter ao comprar moedas estrangeiras A empresa deve ser autorizada pelo Banco Central Conferir se a operadora de câmbio é autorizada pelo Banco Central é fundamental para não correr o risco de sofrer um golpe, perder dinheiro e até de comprar moeda falsa. Seja qual for a forma de transação (presencial, pela internet, por aplicativos ou outra), a autorização do Banco Central é necessária. A informação costuma estar exposta, com o número de cadastro do Bacen. No Brasil, bancos, corretoras de câmbio e correspondentes de câmbio podem realizar a compra e a venda de moedas estrangeiras. A diferença básica entre as instituições é o tipo de operações (com relação a valores, principalmente) que podem realizar. Por exemplo, os correspondentes de trânsito – empresas mais facilmente encontradas – podem fazer a troca de, no máximo, três mil dólares (ou valor equivalente em outra moeda) por pessoa. No site do Banco Central é possível encontrar a lista de todas as empresas autorizadas e ainda comparar o Valor Efetivo Total (VET) das instituições. Todas as empresas credenciadas pelo Banco Central devem informar o VET das operações realizadas por ela. Para compras de dinheiro em espécie (dinheiro vivo), a cobrança do IOF é de 1,1% sobre o valor da transação. Já para a aquisição de cartão de débito pré-pago ou travel check (cheque de viagem), o IOF é de 6,38%. Compras nos finais de semana e feriados Muitos sites de empresas de câmbio permitem a compra em fins de semana ou feriados. Mas, embora pareça uma facilidade, é preciso observar as taxas, que durante esses dias tendem a ser maiores que durante a semana. Entretanto, justamente para driblar essa tendência, algumas empresas oferecem até mesmo descontos e promoções nesses dias de menor movimento. Ou seja, vale pesquisar e acompanhar a rotina da casa de câmbio que você confia. Dependendo da moeda do país visitado, opte por fazer dois câmbios Em países de "moeda fraca" ou cuja moeda não seja facilmente encontrada no Brasil, é indicada a compra de dólares antes de embarcar e a troca da moeda norte-americana pela moeda corrente no país de destino. Isso porque, nesses casos, as taxas operacionais no Brasil podem ser mais elevadas, o que não compensa a compra. Essa regra se aplica, principalmente, para viagens a alguns países da América do Sul, como Colômbia e Bolívia, e da América Central - exceto Cuba, onde, por questões políticas, é mais vantajoso comprar euros no Brasil para serem trocados por CUCs no destino. É importante também evitar trazer moedas de países exóticos, ou seja, troque por dólar ou euro antes de embarcar de volta ao Brasil. Turcambio Unsplash Saiba se será necessário declarar valores à fiscalização aduaneira Ao sair ou entrar no Brasil, com montante superior a R$ 10.000,00 ou equivalente em moeda estrangeira (em espécie) você, obrigatoriamente, preencher a Declaração Eletrônica de Bens de Viajantes (e-DBV) e apresentá-la à fiscalização aduaneira. Títulos de de crédito, cheques ou cheques de viagem não precisam ser declarados via e-DBV. As orientações e o passo a passo de como preencher a Declaração Eletrônica de Bens de Viajantes podem ser encontradas no site da Receita Federal. Em caso de dúvida, busque sempre a orientação de uma operadora de câmbio autorizada. Acompanhe as dicas dos especialistas da Turcambio acompanhando o canal da empresa aqui no G1.

Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree