-->

PM acusado de matar esposa policial civil em SC é condenado a mais de 20 anos de prisão

21 Fevereiro 2020

Luis Fernando Palhano Lopes, de 53 anos, foi considerado culpado pelos crimes de feminicídio, assassinato por motivo torpe e surpresa, e ocultação de cadáver. Policial militar é acusado
de matar esposa policial civil em Itapema Fabiano Correia/NSC TV O policial militar da reserva Luis Fernando Palhano Lopes, de 53 anos, foi condenado a 20 anos e 10 meses de prisão pela morte da esposa policial civil Karla Silva de Sá Lopes após júri realizado quinta-feira (20), em Itapema, no Litoral Norte catarinense. A defesa do PM afirmou que vai recorrer da decisão. O julgamento terminou por volta das 23h e teve aproximadamente 14 horas de duração. O réu foi condenado pelos crimes de feminicídio, assassinato por motivo torpe e surpresa, e ocultação de cadáver. O caso tramitou em segredo de Justiça. O advogado Luiz Eduardo Cleto Righetto, que representa a defesa de Lopes, afirma que irá recorrer à sentença. A defesa nega as acusações e alega ausência de provas. A pena será cumprida no 12º Batalhão da Polícia Militar, em Balneário Camboriú, onde o policial militar está preso desde o dia 8 de dezembro de 2017. O caso O corpo de Karla foi encontrado no dia 7 de dezembro de 2017 enterrado na praia de Taquaras. Um dia antes, o policial militar teria relatado o desaparecimento da vítima à Polícia Civil. O casal ficou junto por dez anos. De acordo com a denúncia do Ministério Público de Santa Catarina (MPSC), o réu teria atirado em direção à cabeça da esposa, na madrugada do dia 6 de dezembro de 2017, motivado por ciúmes e sentimento de posse em relação à mulher. O casal estava em casa quando o crime teria acontecido. Segundo o MPSC, o policial militar da reserva teria enterrado o corpo na areia da Praia de Taquaras, em Balneário Camboriú, no Litoral Norte. O policial militar foi preso no dia 8 de dezembro. O réu teria confessado o crime ao comandante do Batalhão da PM em Itapema, Geraldo Rodrigues, e entregue ao militar um mapa do local onde havia enterrado a vítima. A confissão teria ocorrido de maneira informal na casa do policial. A defesa argumenta que o réu não matou a mulher e afirma que ela teria saído para caminhar e não voltado mais. O advogado de defesa do policial também nega que ele tenha confessado o crime. Karla Silva de Sá Lopes saiu de casa na quarta e não foi mais vista Reprodução/NSC TV Veja mais notícias do estado no G1 SC

Em breve novidade aqui!!!

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree