-->

Juiz de SC nega pedido de mãe que queria fazer turismo na Europa com o filho durante pandemia

31 Março 2020

Mulher queria levar criança para conhecer o pai, que é inglês, em Londres e fazer passeio. Magistrado entende que viagem, neste momento, fere interesse e proteção do menino. Cabines
telefônicas vazias são vistas em um centro quase deserto de Londres, no Reino Unido, durante isolamento social Tolga Akmen/AFP A 1ª Vara de Balneário Piçarras, no Litoral Norte de Santa Catarina, negou o pedido de uma mãe que queria viajar com o filho a Londres e fazer turismo na cidade. A mulher argumentou que queria levar o menino para conhecer o pai, que é inglês, e aproveitar para fazer um passeio. O juiz Iolmar Alves Baltazar, porém, decidiu que viajar em tempos de pandemia do coronavírus não atender ao interesse ou proteção da criança. Cabe recurso da decisão. A decisão foi divulgada pelo Poder Judiciário nesta terça-feira (31). O G1 não conseguiu contato com o advogado da mãe da criança e a Justiça não informou a idade do menino. A mulher entrou com a ação porque o pai não autorizou a viagem do filho. Não é preciso visto para visitar o Reino Unido como turista. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Reino Unido tinha 22.145 casos da Covid-19, doença provocada pelo novo coronavírus, até 16h50 desta terça. Processo Apesar da negativa de autorização da viagem por parte do pai, segundo o TJSC o perigo de contágio do novo coronavírus foi o fator mais importante no momento. Na decisão, o juiz elogiou a ideia de viajar para conhecer o pai, com reflexos positivos no desenvolvimento do menino, e que isso está assegurado no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Porém, para o magistrado, a decisão também precisa se basear no melhor interesse e proteção integral do menor de idade. "A meu sentir, no momento pelo qual atravessa a humanidade, frente à pandemia do novo coronavírus (a maior desde a ocorrida em 1918, com a chamada Gripe Espanhola), uma viagem internacional ao continente europeu, quando a OMS recomenda 'ficar em casa', definitivamente não atende ao melhor interesse e proteção da criança em questão", escreveu na decisão. O juiz explicou ainda que a proibição pode ser revista quando a situação voltar à normalidade. Disse também que não usou na sentença os motivos pelos quais o pai se recusou a assinar a autorização porque a pandemia já foi suficiente para impedir a viagem por parte da Justiça. Veja mais notícias do estado no G1 SC
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree