-->

Primeira noite de desfiles em SP tem protestos e fantasias luxuosas

22 Fevereiro 2020
Marielle Franco, O Grande Ditador e a escravidão foram citados em enredos Estadão Conteúdo/Reprodução Twitter

A primeira noite de desfiles do grupo especial de São Paulo foi marcada por fantasias e alegorias luxuosas. Tom Maior e Mancha Verde foram os destaques da sexta-feira (21) e mostraram que, mais uma vez, o resultado do Carnaval promete ser apertado.

A Dragões da Real enfrentou problemas depois de desfilar no Sambódromo do Anhembi. Já na dispersão, o carro abre-alas da escola ficou preso em fios de eletricidade e provocou um atraso de mais de uma hora no início do desfile da Mancha. 

Barroca Zona Sul

Abre-alas simbolizou a tristeza com a escravidão
Abre-alas simbolizou a tristeza com a escravidão PETER LEONE/ESTADÃO CONTEÚDO

A escola, que voltou ao grupo especial em 2019, fez uma homenagem à líder e rainha quilombola Tereza de Benguela, que lutou contra a escravidão por décadas. O desfile marcou a estreia da musa Renata Spallici como rainha de bateria. 

Com 36 metros de comprimento, o carro abre-alas simbolizou a tristeza com a escravidão. Ao longo do desfile, a agremiação transitou pelos principais momentos da vida da rainha. 

A agremiação, embora tenha enfrentado dificuldades no fim do desfile, conseguiu cumprir o tempo exigido pela Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo. 

Tom Maior

Marielle Franco foi homenageada pela Tom Maior
Marielle Franco foi homenageada pela Tom Maior Reprodução/Twitter

Com o enredo É Coisa de Preto, a Tom Maior entrou na avenida exaltando o povo negro e a importância da miscigenação para a construção e crescimento do Brasil. Um dos pontos altos do desfile foi o quinto carro, que debateu a luta por justiça. 

A alegoria trouxe uma escultura gigante de Marielle Franco, assassinada em 2018, no Rio de Janeiro. De acordo com a escola de samba, a ideia foi simbolizar o quanto a morte da vereadora foi importante para despertar movimentos sociais de luta por igualdade racial e de gênero.

Dragões da Real

Alegoria recriou 'O Grande Ditador', filme clássico com Charles Chaplin
Alegoria recriou 'O Grande Ditador', filme clássico com Charles Chaplin SUAMY BEYDOUN/ESTADÃO CONTEÚDO

Vice-campeã no ano passado, a Dragões da Real enfrentou problemas com a dispersão de alguns carros alegóricos. O abre-alas ficou enroscado na rede elétrica e, por isso, acabou atrasando a entrada da Mancha Verde na avenida do Anhembi. A escola, no entanto, terminou o desfile dentro do prazo regulamentar. 

Com o enredo A Revolução do Riso: A arte de subverter o mundo pelo divino poder da alegria, a agremiação, ao longo de cinco alegorias, exaltou o poder do riso e da alegria. Um dos destaques foi o carro Humor em Tempos de Cólera, que trouxe uma representação de O Grande Ditador, filme clássico com Charles Chaplin. 

Mancha Verde

Divulgação/Forza Palestrina

A verde, branco e vermelho, campeã do carnaval 2019, entrou na avenida mais de uma hora após o horário programado. O atraso aconteceu porque a Dragões da Real enfrentou problemas com a dispersão de carros alegóricos que ficaram presos na rede elétrica. 

Com 3 mil integrantes, a agremiação apresentou um enredo inspirado na passagem bíblica do livro de Lucas, capítulo 23, versículo 34, em que diz Pai, perdoai, eles não sabem o que fazem.

Viviane Araújo, rainha de bateria da agremiação, foi um dos principais destaques do desfile.

Acadêmicos do Tatuapé

Escola de samba fez homenagem à cidade de Atibaia
Escola de samba fez homenagem à cidade de Atibaia Divulgação/Prefeitura de SP

Quinta escola da primeira noite de desfiles, a Acadêmicos do Tatuapé, da Zona Leste, levou para a avenida uma homenagem à cidade de Atibaia. Da origem rural ao desenvolvimento econômico da região, a agremiação passou pelos momentos mais importantes do município paulista.

A segunda alegoria foi um dos principais destaques do desfile. O carro trouxe a reprodução de uma maria-fumaça e, ainda, abordou a utilização da mão de obra escrava no processo de desenvolvimento da região.

Império de Casa Verde

Desfile da Império de Casa Verde celebrou o Líbano
Desfile da Império de Casa Verde celebrou o Líbano NEWTON MENEZES/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

A escola homenageou o Líbano com o enredo Marhaba Lubnãn. O carro abre-alas, O Império Marítimo, retratou o fundo do mar mediterrâneo da costa do Líbano.

Valeska Reis foi a rainha de bateria da escola. A assistente de palco do programa A Hora do Faro, da Record TV, ostentou uma costeira poderosa. 

Com integrantes que pertencem à colônia libanesa em São Paulo, a comissão de frente celebrou os Guardiões da Ancestralidade Libanesa.

O carro alegórico Heranças Culturais: O Berço Sagrado trouxe o Gênio da Lâmpada como destaque, remetendo ao famoso personagem das histórias de Alladin. 

Sem contratempos, a escola terminou o desfile dentro do prazo determinado.

X-9 Paulistana

Apesar de contratempos, escola empolgou o público
Apesar de contratempos, escola empolgou o público Agência Estado

A escola entrou na avenida embaixo de chuva e com o dia claro. Por desfilar de manhã, a escola dispensou luzes de led e apostou em espelhos para manter o brilho nos carros alegóricos.

Com enredo que celebra a miscigenação e batucada brasileira, a escola também precisou escolher bem as cores das alegorias e carros para não passar despercebida na avenida. Por isso o verde e o laranja predominaram todas as alas.

Pouco antes da metade do desfile, um carro acoplado da X-9 teve problemas. Após a ligação se romper, um dos integrantes caiu, mas não chegou a se machucar e ainda ajudou a empurrar a alegoria. Apesar disso, não houve atraso.

Entre os famosos que desfilaram pela agremiação estavam Juju Salimeni e Daniele Hypolito. X-9 Paulistana tenta ser campeã novamente depois de 20 anos. O último título da escola foi em 2000.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree