-->

Mãe diz que adolescente esfaqueado dentro de igreja queria ser pastor; suspeito do crime continua foragido

15 Novembro 2019

Assassinato que aconteceu há quase 20 dias ainda não foi solucionado. Casos registrados no TO mostram que há adolescentes e jovens vítimas de crimes, bem como envolvidos na violência.
Adolescente morreu na porta de igreja Arquivo Pessoal O adolescente de 16 anos que morreu após ser esfaqueado dentro de uma igreja em Palmas no mês passado sonhava em ser pastor, segundo a mãe Sueli Caldeira dos Santos. Nesta sexta-feira (15), completa 19 dias da morte de Matheus Caldeira e o suspeito do crime ainda não foi encontrado. A família quer justiça e ainda tenta entender as motivações do crime. "Membro da igreja, [sonhava em] virar obreiro e chegar a ser pastor", relata a mãe. As câmeras de segurança registraram o momento em que o suspeito entrou na igreja e começou a atacar o jovem com uma faca. Mesmo ferido, ele conseguiu correr até a calçada, onde foi novamente atingido no pescoço. O criminoso fugiu em seguida, foi identificado pela polícia mas até agora não foi preso. Matheus tinha entrado na igreja para pedir ajuda para o pastor porque estava sendo ameaçado pelo homem. A família não entende porque o menor foi assassinado. "Um jovem de 16 anos que nunca cometeu um crime, não tinha nada errado com ele. Nós estamos procurando porque aconteceu isso, meu Deus", lamenta a avó Cleuza Ferreira Carvalho. O caso é um dos milhares que acontecem todos os anos no Brasil, tendo crianças, adolescentes ou jovens como vítimas. Um relatório divulgado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância aponta que a média anual de assassinatos de pessoas entre 10 e 19 anos saltou de cinco mil para quase 12 mil nos últimos 27 anos. Levantamento aponta o aumento da participação de menores em crimes Os casos registrados no Tocantins mostram que há adolescentes e jovens vítimas de crimes, bem como envolvidos na violência. Um exemplo é o caso do jovem Matheus Felipe assassinado a tiro. O suspeito de atirar na cabeça dele é um adolescente. O crime aconteceu no setor lago sul em Palmas, no final do mês passado. Também no fim de outubro, o jovem Kelve de Paula Gonçalves, de 18 anos, foi morto na capital. Um dos três suspeitos do crime morreu num confronto com policiais. Carlos Eduardo Silva Barros tinha 18 anos e 20 passagens pela polícia. O sociólogo João Nunes atribui o desvio de conduta violenta dos jovens à falta de políticas públicas. "Isso acontece muito mais pela pressão da sociedade, a forma como ela está estruturada, baseada principalmente no mercado, no status e se cobra desse jovem, ao mesmo tempo em que não se dá a garantia suficiente para ele viver no equilíbrio social". A violência traz sofrimento para as famílias. O sentimento, muita vezes, é de impunidade. "Que a justiça venha ser de fato executada na prática porque a nossa constituição é boa, só que na prática não funciona. Por isso existem esses crimes sem resposta, por isso as famílias choram como a nossa hoje está chorando. Eu assisti tantas vezes crimes hediondos, brutais na televisão e nunca pensei que um dia eu estaria aqui e quem está aí fora, pode pensar que a qualquer momento pode acontecer na sua família porque a impunidade e a criminalidade chegaram ao extremo", desabafa a tia de Matheus Caldeira, Ivanete dos Santos. Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree