-->

Secretário pede investigação sobre conduta de delegados responsáveis por operações contra corrupção

19 Novembro 2019

Cristiano Sampaio assinou uma recomendação para que o TJ, OAB e outros órgãos apurem supostos desvios de conduta e quebra de sigilo por parte dos policiais. Delegados foram retirados
dos cargos pelo governador. Recomendação foi assinada por Cristiano Sampaio, secretário de Segurança Pública do Tocantins Reprodução/TV Anhanguera O Secretário de Segurança Pública do Tocantins, Cristiano Barbosa Sampaio, assinou uma recomendação para pedir investigações sobre a conduta de delegados responsáveis por operações contra a corrupção no estado. No documento, Sampaio indica que o Conselho Estadual de Segurança (Conesp/TO) recebeu denúncias de desvios de conduta e quebra de sigilo funcional por parte dos delegados durante as investigações. A recomendação foi publicada no Diário Oficial do Estado desta terça-feira (19) e assinada pelo secretário na condição de presidente do conselho. São os mesmos delegados que foram transferidos dos cargos pelo governador Mauro Carlesse (DEM). Na época da medida, o sindicato que representa os delegados afirmou que a decisão iria prejudicar as investigações contra corrupção e que se tratava de perseguição. Os delegados foram responsáveis pela abertura de diversos inquéritos que investigam autoridades do governo e políticos. Segundo o texto da recomendação, a denúncia foi feita por um representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). O nome dele não foi divulgado. O documento pede que a Corregedoria da Polícia Civil, o Ministério Público, o Tribunal de Justiça, a OAB e a Procuradoria-Geral de Justiça tomem conhecimento da denúncia e investiguem o caso. A acusação é de que pedidos semelhantes baseados nas mesmas evidências foram submetidos a mais de um juiz para burlar decisões judiciais e que investigações sigilosas foram divulgadas para a imprensa pelos delegados. O pedido é relacionado a equipe da antiga a Delegacia de Repressão a Crimes de Maior Potencial contra a Administração Pública (Dracma), substituída pela Divisão Especializada de Combate à Corrupção (Decor). O G1 procurou o então delegado titular da Dracma ,Guilherme Rocha, para comentar a recomendação e aguarda retorno. A Secretaria de Segurança Pública do Tocantins informou que que a iniciativa foi oriunda dos representantes da Ordem dos Advogados do Brasil, no Tocantins e do Ministério Público Estadual. (Veja nota completa abaixo) O presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Tocantins, Mozart Félix, disse que pela publicação não é possível saber do que se tratam as acusações. "Fala aqui que durante investigações e [que houve] pedidos sobre o mesmo tema, sem falar qual é o tema, sem falar qual a investigação, sem falar qual é o caso concreto. Então nessa publicação não temos nada além de ilações", disse ele. O presidente do Sindepol lembrou ainda que as faltas funcionais poderiam ser investigadas pela corregedoria, mas que a SSP está sem um corregedor porque a última nomeação foi considerada ilegal pela Justiça. A própria extinção da Dracma e substituição pela Decor foi motivo de grande controvérsia. O secretário Cristiano Sampaio acabou tendo que ir até a Comissão de Segurança Pública da Câmara dos Deputados para dar explicações. Ele respondeu a perguntas por mais de quatro horas e negou que o governo estivesse tentando interferir nas investigações. O que diz a SSP Em nota, a Secretaria de Segurança Pública do Tocantins disse que o colegiado do Conselho Estadual de Segurança Pública (Conesp) é autônomo em relação à SSP; que a Iniciativa foi oriunda dos representantes da Ordem dos Advogados do Brasil, Seção Tocantins (OAB-TO) e do Ministério Público Estadual do Tocantins. Informou anda que o colegiado do Conesp aprovou a recomendação de forma unânime. Por fim, reforçou que não houve nenhuma providência por parte da SSP, que o Conesp recomendou encaminhar para os órgãos do Poder Judiciário, de controle externo da atividade policial e Corregedoria-Geral da Polícia Civil para que tomem as providências que julgarem cabíveis. Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree