-->

Mulher que morreu esperando vaga de UTI enviou áudio para a família falando sobre medo de não resistir: 'Me deixaram'

12 Agosto 2020

Edilma da Silva Goulart, de 49 anos, ficou quatro dias aguardando a liberação de uma vaga, que não surgiu a tempo. Edineia morreu em UPA aguardando vaga em
UTI Reprodução/TV Anhanguera A mulher que morreu em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Palmas enquanto aguardava um leito de UTI sabia que não resistiria aos sintomas da Covid-19 se não fosse transferida imediatamente. Em um áudio enviado para a família, Edilma da Silva Goulart, de 49 anos, dizia que estava com medo de morrer. "Me deixaram". Ela ficou quatro dias aguardando a liberação de uma vaga, que não surgiu a tempo. (Veja o vídeo abaixo) "Levaram todo mundo e me deixaram. E eu tô passando muito mal. Chama um bocado de gente meu Deus, vê essa assistente social pra me mandar hoje. Eu vou morrer, Luana", disse a paciente em um áudio. Em nota, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) informou que solicitou leito clínico para a paciente ainda no domingo (9) no Hospital Regional de Miracema (HRM), mas a família da paciente não aceitou a transferência e disse que iria aguardar uma vaga de UTI em Palmas. Disse ainda que ao disponibilizar um leito na capital, devido a complicação de saúde, a paciente faleceu antes que a transferência ocorresse. Veja abaixo a nota na íntegra. Paciente morre vítima da Covid-19 após 4 dias esperando transferencia para UTI A filha da paciente citada no áudio, Luana Goulart, conta que percebeu que a mãe estava com a voz diferente. "Percebi ela bem ofegante, bem cansada", disse. O companheiro de Edilma disse que o quadro de saúde da mulher era o mais delicado e ela devia ter sido transferida rapidamente. "Ela ficou quatro dias lá. Sabiam que estava debilitada, tinha que ser uma das primeiras a sair de lá [UPA]. Minha mulher morreu à míngua. Mataram ela", disse o pedreiro Carlos Goulart. Edilma tinha formação de técnica de enfermagem. Antes de ficar internada a mulher procurou a UPA duas vezes, mas foi medicada e orientada a ficar em casa. Na terceira vez, já no último sábado (8), ela deu entrada na unidade, mas saiu de lá sem vida. O Ministério Público chegou a conseguir uma liminar determinando a transferência na noite desta terça-feira (11), mas a mulher morreu horas antes. Quando a família acionou o Ministério Público foi proposta uma ação e, em menos de duas horas, o juiz Gilson Coelho atendeu ao pedido. Ele disse na decisão que "a falta de vaga na UTI no hospital público, não pode impedir que o Estado do Tocantins viabilize o tratamento da idosa em um estabelecimento hospitalar privado" e reforçou a "necessidade da paciente ser imediatamente transferida para uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de hospital particular nesta capital". Ele finalizou informando que "se isso não vier a ocorrer a com devida urgência o risco de morte é muito presente". Foi o que aconteceu. Quando o oficial de justiça chegou na UPA com a Decisão já era tarde demais. O corpo da vítima foi sepultado nesta quarta (12). Edilma deixou o marido e três filhas. O Tocantins já soma 33.766 diagnósticos do novo coronavírus e se aproxima de 500 pacientes mortos pela doença. Até o fim da tarde desta quarta, a taxa de ocupação de leitos de UTI no Estado era de quase 90%. O que diz a Secretaria Estadual de Saúde A Secretaria de Estado da Saúde (SES) esclarece que com relação a paciente citada por este veículo, a Unidade Pronto Atendimento (UPA) em que a paciente estava, solicitou leito clínico de Covid-19 no domingo, 09. A regulação estadual regulou a paciente para um leito clínico no Hospital Regional de Miracema (HRM), porém a família da paciente não aceitou a transferência, alegando que iriam aguardar vaga em Palmas. Informamos que na tarde da última segunda-feira, 10, foi disponibilizada vaga em leito clínico Covid-19 no Hospital Geral de Palmas (HGP), a regulação estadual informou a UPA a vaga disponível para a paciente. Porém a UPA na noite de segunda-feira, 10 antes da transferência da paciente para o leito clínico alterou a solicitação, de leito clínico para leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). A SES explica que na terça-feira, 11, a regulação disponibilizou leito de UTI e organizado toda a logística de transporte, mas devido complicações do seu quadro clínico a paciente não resistiu e veio a óbito antes que a transferência ocorresse. Em áudio, paciente com coronavírus reclama de falta de vaga em UTI Reprodução/TV Anhanguera Veja mais notícias da região no G1 Tocantins. Initial plugin text
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree