-->

UFT prevê impacto de R$ 11 milhões e prejuízos em pesquisas caso corte na educação seja aprovado

14 Agosto 2020

Corte de R$ 1,4 bilhão está previsto no projeto de Lei Orçamentária Anual, elaborado pelo Ministério da Economia. Reitor da UFT diz que redução no repasse atingiria ensino de
extensão e pesquisa. UFT prevê impacto de R$ 11 milhões caso cortes sejam aprovados pelo governo federal A Universidade Federal do Tocantins (UFT) prevê um impacto superior a R$ 11 milhões, caso seja aprovado o corte nas verbas repassadas pelo governo federal às instituições públicas de ensino superior. A preocupação é que o orçamento mais enxuto prejudique pesquisas e projetos. A medida foi anunciada pelo governo federal como forma de enxugar o orçamento atingido pela pandemia. Na última segunda (10) o Ministério da Educação disse que, dos R$ 4,2 bilhões que podem sair do orçamento do ano que vem, R$ 1 bilhão deixará as mãos das universidades e R$ 434,3 milhões, dos institutos federais. O número de matriculados nessas instituições totaliza 1,2 milhão de estudantes. O corte faz parte do projeto de Lei Orçamentária Anual, elaborado pelo Ministério da Economia. A proposta ainda será votada no Congresso Nacional e pode sofrer alterações. UFT diz que, se forem aprovados, cortes podem gerar impactos nas pesquisas e assistências estudantis Divulgação/UFT Segundo o reitor da UFT Luis Eduardo o corte pode afetar vários setores. "Isso afeta diretamente as nossas atividades de ensino de extensão, de pesquisa. Afeta drasticamente nossos programas de assistência estudantil, de forma que é uma preocupação em todo o Brasil por parte das universidades federais, no ponto de vista da manutenção de nossas atividades". As reduções ocorrerão nas despesas discricionárias – aquelas que não são obrigatórias e podem, por lei, serem remanejadas. São despesas como água, luz, contratação de terceirizados (limpeza e segurança, por exemplo), obras e reformas, compras de equipamentos, realização de pesquisas e até a assistência estudantil. Os cortes não afetam as despesas obrigatórias, como salários de funcionários e aposentadorias, que fazem parte do orçamento dessas instituições. A situação preocupa Tatiane Maracaípe, que é mestranda e recebe bolsa para desenvolver uma pesquisa de fungicida natural para uvas. "Tento mostrar para a sociedade que eu usando um micro-organismo, eu consigo combater alguns fungos, diminuindo a quantidade de agrotóxico. O pesquisador depende da bolsa para poder desenvolver a pesquisa". A coordenadora do laboratório Juliana Fonseca também fica receosa com a possível redução dos recursos. Atualmente, sete projetos estão em andamento. "Essa continuidade seria afetada porque a gente teria que finalizar um projeto não acabado. Acabou verba, não tem dinheiro, a gente não consegue mais desenvolver aquele projeto de pesquisa". Para tentar mudar o projeto, as universidades estão se mobilizando. "Há um esforço coletivo capitaneado pela Associação Nacional de Dirigentes para que a gente possa, ainda no Executivo, tentar reverter esse quadro e se esse Ploa [Projeto de Lei Orçamentária Anual] chegar ao Congresso Nacional tentar reverter através de uma mobilização política. É um quadro bastante preocupante". Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.
We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree