Juros do crédito pessoal voltam a subir após dois anos em queda

10 Abril 2020

médio do cartão de crédito sofreu uma elevação de 0,71% em março" />

O juro médio do cartão de crédito sofreu uma elevação de 0,71% em março Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O brasileiro que precisou recorrer ao crédito pessoal em março deste ano pagou taxas mais altas nas operações, segunda pesquisa divulgada nesta quinta-feira (9) pela Anefac (Associação Nacional  de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade).

A elevação foi constatada após dois anos consecutivos de reduções, impulsionadas pela queda da taxa básica de juros (Selic).

Leia mais: Falta de renda afetará mais a Páscoa do que preço de produtos

Miguel José Ribeiro de Oliveira, diretor executivo de estudos e pesquisas da Anefac, atribui as elevações à pandemia do coronavírus e seus reflexos na economia:

- Provável recessão econômica;
- Aumento do desemprego; e
- Elevação do risco de crédito com a queda da renda das famílias e fechamento de empresas.

“Esses fatores aumentaram, substancialmente, o risco do crédito fazendo com que as instituições financeiras elevassem suas taxas em um ambiente de provável elevação dos índices de inadimplência tanto das pessoas jurídicas quanto das físicas”, diz.

Leia mais: Pequenos negócios usam internet para vender chocolates na Páscoa

Para Oliveira, tendo em vista a piora do cenário econômico com maior risco de crédito, a tendência é de que as taxas de juros continuem sendo elevadas nos próximos meses.

Mas ele ressalta, no entanto, que o Banco Central pode amenizar estas altas com algumas ações. Entre elas, redução de impostos e compulsórios.

Arte R7
Taxa subiu em todas as linhas para pessoa física

A pesquisa apontou que todas as linhas de crédito tiveram as taxas elevadas no mês.

Os juros médios para pessoa física subiram 0,03 ponto percentual em março (0,67 ponto percentual no ano) correspondente a uma elevação de 0,52% no mês (0,70% em 12 meses).

Leia mais: Ovo de Páscoa pode custar até 270% mais do que chocolate em barra

A mesma taxa passou de 5,76% ao mês (95,82% ao ano), em fevereiro, para 5,79% ao mês (96,49% ao ano), em marco.

É a maior taxa desde dezembro do ano passado.

Confira as elevações por modalidade:

Comércio

Elevação de 0,42%, passando de 4,78% ao mês (75,12% ao ano), em fevereiro, para 4,80% ao mês (75,52% ao ano) ,em março.

É a maior taxa desde dezembro do ano passado, quando atingiu 4,82% ao mês e 75,93% ao ano.

Cartão de crédito

Aumento de 0,71%, passando de 11,28% ao mês (260,58% ao ano), em fevereiro, para 11,36% ao mês (263,71% ao ano), em março.

A taxa é a maior desde dezembro de 2019, quando chegou a 11,36% ao mês e 263,71% ao ano.

Cheque especial

Alta de 0,27%, passando de 7,33% ao mês (133,70% ao ano), em fevereiro, para 7,35% ao mês (134,22% ao ano), em março.

É a maior taxa desde janeiro deste ano, quando chegou a 7,36% ao mês e 134,48% ao ano.

CDC – Bancos Financiamento de automóveis

Subiu para 1,41%, passando de 1,42% ao mês (18,44% ao ano), em fevereiro, para 1,44% ao mês (18,72% ao ano), em março.

A taxa é a maior desde dezembro de 2019, quando chegou a 1,46% ao mês e 19,00% ao ano.

Empréstimo pessoal nos bancos

Elevação de 0,60%, passando de 3,34% ao mês (48,33% ao ano), em fevereiro, para 3,36% ao mês (48,67% ao ano), em março.

É a maior taxa desde janeiro, quando atingiu 3,38% ao mês e 49,02% ao ano.

Empréstimo pessoal financeiras

Aumento de 0,62% ,passando de 6,41% ao mês (110,76% ao ano), em fevereiro, para 6,45% ao mês (111,71% ao ano), em março.

A taxa é a maior desde janeiro deste ano, quando foi de 6,46% ao mês e 111,95% ao ano.

Taxa média pessoa física

Alta de 0,52%, passando de 5,76% ao mês (95,82% ao ano), em fevereiro, para 5,79% ao mês (96,49% ao ano), em março.

É a maior taxa desde dezembro do ano passado, quando chegou a 6,52% ao mês e 113,39% ao ano.

Juro para pessoa jurídica é o maior desde 2013

Assim como ocorreu com as linhas para pessoas físicas, o crédito para pessoa jurídica também ficou mais caro em todas as modalidades em março.

Leia mais: Sete microempresárias falam sobre o efeito coronavírus nos negócios

A taxa média subiu 0,05 ponto percentual no mês (0,85 ponto percentual no ano) correspondente a uma elevação de 1,60% no mês (1,91% em doze meses).

Com isso, foi de 3,12% ao mês (44,58% ao ano), em fevereiro, para 3,17% ao mês (45,43% ao ano), em março. É a maior taxa de juros desde dezembro de 2013.

Selic caiu 3,5 ponto percentual em 7 anos

Entre as elevações e reduções que o Banco Central fez na Selic nos últimos sete anos - entre março de 2013 e março de 2020 -, a taxa básica de juros caiu 3,5 ponto percentual (redução de 48,28%).

Em março de 2013, a taxa básica de juros atingiu 7,25% ao ano, enquanto em março deste ano a Selic caiu para 3,75%.

Neste período, a taxa de juros média para pessoa física apresentou uma elevação de 8,52 pontos percentuais (elevação de 9,69%).

Leia mais: O que é Selic? Como essa taxa de juros influencia sua vida? Entenda

Em março de 2013 ela somou 87,97% ao ano, enquanto em março deste ano chegou a 96,49% ao ano.

Nas operações de crédito para pessoa jurídica neste período, houve uma elevação de 1,85 ponto percentual (alta de 4,25%).

Em março de 2013, o juro chegava a 43,58% ao ano, e em março deste ano, a a 45,43% ao ano.

We use cookies to improve our website. Cookies used for the essential operation of this site have already been set. For more information visit our Cookie policy. I accept cookies from this site. Agree